A decisão de concorrer III



eleitorSerá que você aguenta agressões, acusações e boatos?

Como já temos dito nesta série de textos, concorrer numa eleição e entrar na carreira política é uma decisão que mudará totalmente a sua vida. É por isso que essa decisão só deve ser tomada depois de uma profunda reflexão, em todos os sentidos. Esta advertência vale principalmente para quem está pensando em entrar na carreira política, mas é também um exercício de reflexão válido para quem nela já se encontra e está prestes a enfrentar uma nova eleição.

Os adversários estarão atentos a tudo que possa compromete-lo

Portanto, antes de formalizar a sua decisão de concorrer, sugerimos que você faça a si mesmo algumas perguntas preliminares. Quanto às respostas a estas perguntas, elas devem conter o máximo de sinceridade e realismo. Na “Parte II” desta série, lhe apresentamos as quatro primeiras perguntas, e abaixo seguem as outras seis questões.

5) Será que eu vou agüentar agressões, acusações e boatos?

Esta talvez seja a principal razão pela qual muitas pessoas evitam disputar eleições e entrar na vida política. Ninguém é perfeito. Cada pessoa tem as suas falhas, já cometeu os seus erros, possui uma história de vida, e está, portanto, sujeito a ter seus erros e defeitos explorados publicamente.

Os adversários estarão atentos e investigativos a tudo que possa ser utilizado para comprometer as suas chances eleitorais, e, como sói acontecer na política, transformar cada ranhura da sua imagem numa verdadeira ravina. Pela propaganda eles poderão dar amplo curso à esta exploração política, através do rádio, da TV e de material impresso.

A mídia também não perderá oportunidade para usar essas matérias porque elas são notícias, e, quanto mais escandalosas, mais notícias serão. Portanto, antes de decidir concorrer, abra seu armário e veja se ele não guarda alguns esqueletos. Se houver, prepare-se com antecipação para enfrentá-los na campanha.

Busque documentos, testemunhos e argumentos para liquidar a questão, quando ela for levantada na campanha. Não é sábio imaginar que você vai escapar ileso da campanha. É sempre mais prudente esperar o pior. Ou então, se não tiver disposição para lidar com situações constrangedoras, ou se o esqueleto for muito grande e feio, decida-se por não concorrer.

6) Será que posso ganhar?

Esta é uma pergunta que você deve se fazer, respondendo-a com toda a sinceridade e verdade. Você não vai respondê-la sozinho. Você tem amigos e apoiadores que podem ajuda-lo a refletir sobre essa questão, contribuindo com a objetividade necessária para respondê – la. Além disso, você deve tentar fazer uma pesquisa prévia para diagnóstico de sua candidatura. Muita atenção, as pessoas com as quais vai conversar sobre o assunto devem ser, além de leais a você, independentes, profissional e economicamente de você, para que o item objetividade seja satisfeito adequadamente.

Não suponha que pelo fato de ser conhecido, de ocupar alguma função de direção, de participar de associações, as pessoas com as quais lida, vão votar em você. Eles o apoiam naquelas funções, não necessariamente numa função eletiva. Além disso, em grandes colégios eleitorais, o círculo de relações, por maior que seja, não passa de um valor insignificante do eleitorado exigido para se eleger.
7) Posso “dar-me o luxo de perder” a eleição?

Na maioria das vezes, a vitória é única opção para a candidatura

Como regra, para a maioria dos candidatos, a probabilidade maior é que não se elejam. Esta é uma realidade a ser muito considerada. Perder uma eleição, portanto, não é, nem pode ser, uma tragédia. Mais que isto, muitas vezes disputa-se uma eleição, com poucas chances de vencer, mas com o objetivo estratégico de tornar-se melhor conhecido, preparar-se para a próxima, reunir capital político para entrar no jogo, conquistar uma posição no executivo.

Há situações entretanto, que o candidato não “pode se dar ao luxo de perder”. Isto ocorre quando ele já disputou aquele cargo com insucesso outras vezes (evitar a marca de perdedor na imagem); ou situações em que ele vai, com muita dificuldade, financiar a sua própria campanha, assumindo compromissos, fazendo empréstimos, pondo em risco, desta forma, o seu patrimônio pessoal e da família. Nestes casos, a derrota tem consequências muito sérias, seja de natureza política, seja de natureza pessoal, que precisam ser bem ponderadas, antes de você decidir-se a concorrer.

8) Posso “dar-me o luxo de ganhar” a eleição?

Este é o caso da pessoa que possui uma atividade profissional de sucesso, bem remunerada, e que tem sustentado um determinado padrão de vida para si e para sua família. Muitas vezes, uma pessoa nesta condição, dispõe-se a entrar na política, pensando que poderá continuar suas atividades profissionais e, ao mesmo tempo, dedicar-se às novas responsabilidades políticas. Até pode acontecer, mas é muito raro.

A política é uma atividade muito envolvente. Ela costuma despertar sentimentos muito fortes de ambição, realização e disputa, que tendem a ocupar mais e mais do seu tempo. O que começa como uma dedicação de tempo parcial, costuma tornar-se de tempo integral. É, portanto, bom e salutar, levar isto em consideração ao decidir concorrer, para não entrar em sérios problemas pessoais e profissionais mais adiante.

9) Posso levantar fundos suficientes para a campanha?

A necessidade de financiar a campanha, é outra das principais razões que fazem muitas pessoas evitar a carreira política. Bancar uma campanha é caro (salvo para quem é rico, ou para quem disputa uma eleição num colégio eleitoral pequeno e concentrado), e você não poderá, se não for rico, sustentá-la isoladamente com seus recursos.

Em consequência, você terá que levantar recursos, junto a seus apoiadores. Para muitos candidatos, pedir auxílio financeiro a outros é uma experiência insuportável. Por outro lado, quem pode ajudar a campanha, quer ser procurado pelo candidato, e não por auxiliares. A experiência mostra que, ninguém é mais eficiente para conseguir os recursos necessários do que o próprio candidato.

Se você não possui recursos próprios e abundantes para financiar a sua campanha, sem perda patrimonial de vulto, e, se você não se dispõe a “buscar” este recurso pessoalmente, junto aos potenciais contribuintes, pense mais que duas vezes se vale a pena entrar na disputa.
10) Posso fazer isto para minha família?

Família ciumenta e possessiva? O candidato vai enfrentar isso…

A política é ciumenta. Ela tende a exigir todo o seu tempo, e a deslocar o eixo de suas gratificações, da vida familiar para a vida pública. O bom da política gratifica você pessoalmente. O ruim da política costuma atingir a sua família.

A política afeta a família de maneira dura. Rouba o tempo que você destinava a ela, muito das atenções que você dedicava, os programas de lazer, a sua função educativa junto aos filhos, etc. Não é incomum surgir, com o tempo, uma incompatibilidade entre sua família e sua atividade política, fazendo-o sofrer nos dois lados deste conflito.

Antes de decidir-se a concorrer, você precisa ter uma conversa muito franca e realista com seus familiares. Eles precisam saber, por antecipação, as consequências que a nova atividade terá sobre a vida de todos. O seu projeto político individual precisa ser “abraçado” por sua família, pelo menos no sentido de que aceitam os custos dele. Não esqueça que, de pouco adianta vencer uma eleição e conquistar um cargo público, se você perder a sua família.

Se todas estas respostas puderem ser respondidas de maneira satisfatória, então você reúne todas as condições para disputar a eleição, concorrer a cargos públicos, e assumir uma carreira política. Neste caso, vá em frente, com entusiasmo e disposição para vencer.

E boa sorte…

Fonte: Política para Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorObama toma posse e busca acordo contra crise fiscal
Próximo artigoOlho no Senado
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code