A oratória da sedução: aprenda a usar o poder das palavras I

Domine a arte de usar as palavras como armas.

O político está sempre falando para um, para poucos ou para muitos. Aprende a usar as palavras como armas. Maneja ao mesmo tempo, seu nome e o seu significado. Sabe como usá-las para manifestar o pensamento e para esconder seu pensamento; para explicar e para confundir; para explicitar e para se evadir.

O discurso deve ter persuasão, muita argumentação e lógica

Seu objetivo entretanto é sempre o mesmo: persuadir, convencer, obter a aprovação. A oratória convencional do político revela inevitavelmente a sua intencionalidade. Por isso é tão fácil “decodificar” o argumento do político: a intenção, o objetivo, estão sempre ostensivamente expostos. Por isso se diz, com certa malícia e descrédito “é conversa de político”.

Reduzida a seu essencial, a oratória convencional do político é argumentativa, persuasiva, lógica e discursiva. Nada errado. Grande parte da atividade política exige este tipo de oratória. A oratória da sedução constitui-se a partir de princípios, técnicas e objetivos, completamente diferentes dos buscados pela oratória clássica, da persuasão racional.

Desde logo, na sedução, como se viu, busca-se mais que o voto ou o apoio. Busca-se nela, a adesão incondicional, um nexo emocional que provoque a “entrega” do seduzido ao seu sedutor.

Se a oratória clássica (ainda que modernizada) funciona, primacialmente, pelo exercício de uma argumentação que se imponha logicamente à razão de quem a escuta, a oratória da sedução aposta na persuasão pelos sentimentos e emoções.

Por outro lado, não há nada mais anti-sedutor do que a prática da argumentação. Não se seduz com argumentos, com discussão, com racionalidade, nem nas relações afetivas, nem na política. Argumentar supõe que a outra parte ouve prestando atenção.

Este já é, por si só, um pressuposto de difícil realização. As pessoas, como regra, estão mais interessadas em falar do que em ouvir; estão mais ocupadas com seus pensamentos e desejos, do que em escutar seus argumentos; têm dificuldades de seguir um argumento nos seus detalhes, porque precisam concentrar-se, evitar distrações. Se perderam parte do argumento, sentem-se confusas, e tendem a perder interesse no assunto.

Há regras para controlar estes riscos, quando se trata de argumentar e persuadir logicamente: discurso breve; frases curtas; linguagem simples; repetição; uso de estórias, anedotas, e exemplos; voz clara e forte; criação de expectativas e suspense, etc.

Quando se trata de seduzir, entretanto, toda a prática da melhor oratória argumentativa deve ser esquecida. Ela não só não ajuda, como impede a sedução.

Seduzir com palavras

O candidato deve sair de seu mundo pessoal, para entrar no mundo de quem deseja seduzir

Na comunicação usual, falamos a maior parte do tempo sobre nós mesmos, para expressar nossos sentimentos, idéias e opiniões.

Na oratória da sedução temos que conseguir sair do nosso mundo pessoal, para entrar no mundo do outro que queremos seduzir, comunicando-nos com a sua sensibilidade, e tendo acesso à sua psicologia. Neste contexto a palavra assemelha-se à música e se diferencia do ruído, deve provocar sensações, confundir e envolver.

A oratória da sedução usa as palavras para despertar emoções nas pessoas, pois pessoas emocionáveis são mais fáceis de atrair e conquistar. O discurso da sedução focaliza naquilo que as pessoas querem ouvir. Não há outra porta por onde entrar no mundo do outro, sem chamar a atenção e sem provocar reações defensivas.

Explore as emoções que eles sentem, usando palavras carregadas de significados, apazigue medos e inseguranças, envolva-os em uma atmosfera de esperança, use uma adulação sóbria para gratificá-los, use pausas de silêncio para valorizar o que diz e para manter a atenção, e, acima de tudo, mantenha sua linguagem vaga, de forma a que cada um a entenda a sua forma e a sinta com o grau de intensidade que experimentar.

A oratória da sedução deve ser capaz de fazer uma audiência experimentar uma mesma emoção e compartilhá-la pelo contágio. Mas atenção, as emoções que você vai despertar e explorar são emoções fortes. Não se trata de falar de concordâncias e discordâncias e sim de amor e ódio, de medo e desejo, de justiça e injustiça…

É com base em sentimentos desta intensidade que um público, composto de pessoas individuais, transforma-se numa entidade política, numa coletividade dominada por um sentimento que pode levá-la à ação.

A oratória da sedução fala para o coração, como a oratória da argumentação fala para o cérebro; a primeira busca seduzir e conquistar, a segunda busca a aprovação. Ambas são importantes e necessárias ao arsenal do político. A realidade determina qual a hora de usar uma ou outra.

Fonte: Política para Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTornar-se refém de uma promessa irrealizável
Próximo artigoA terceira fase da campanha: a consolidação da candidatura
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code