Bispo Renato quer acordo entre moradores da Nova Jerusalém e executivo

DSC_0377bispo renato“Não há necessidade de se resolver uma situação dessa gravidade, desse jeito. É preciso diálogo e com urgência”, observou o deputado distrital Bispo Renato Andrade, ao visitar pessoalmente a comunidade Nova Jerusalém, no Sol Nascente, em Ceilândia, durante a operação da Agência de Fiscalização (AGEFIS), juntamente com a Polícia Militar, nesta segunda-feira, 02/03.

Bispo Renato ratificou que protocolou indicação ao Governo do Distrito Federal, pedindo a suspensão de qualquer ação demolitória, abertura de diálogo com a comunidade e elaboração de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

Desde julho de 2014 a área está ocupada pelos moradores e nada foi feito à época pelo governo. “Por isso pedi a garantia de um clima de cooperação entre o governo e a sociedade. Essas famílias precisam de moradia e a melhor maneira de resolver essa situação é amenizando conflitos”, destacou Bispo Renato Andrade

“Estou desde sexta-feira em reunião com a sociedade e representantes do governo local para entrar em um acordo”, explicou o deputado. “É necessário que o governo ouça a população e que haja consenso. Precisamos de um canal de comunicação eficiente, para resolver essa situação de forma pacífica”, pontuou Bispo Renato, que acredita na construção de um acerto entre os envolvidos.

O deputado distrital Bispo Renato solicitou ainda a garantia  de ingresso das famílias nos programas habitacionais, assegurando assim, o direito à moradia, estabelecido pela Constituição Federal.

A operação

Na manhã desta segunda-feira, cerca de 600 policiais militares e civis, além de agentes da Subsecretaria de Ordem Pública e Social (SEOPS) e da Agência de Fiscalização (AGEFIS), iniciaram a desocupação da área conhecida como Nova Jerusalém, em Ceilândia.

Houve confronto entre moradores e policiais. Bombas de efeito moral e de gás lacrimogênio, além de balas de borracha, foram utilizadas para dispersar as pessoas. Manifestantes queimaram pneus para impedir a entrada dos policiais na comunidade. O local precisou ser interditado.

Segundo representantes do governo, através da imprensa, essa derrubada é o primeiro passo para realizar obras de infraestrutura no local. Uma bacia de drenagem deve ser construída, e por isso, a AGEFIS precisa retirar cerca de 400 famílias que hoje ocupam a área.

Assessoria de Comunicação – Bianca Lima

Bispo Renato Andrade

Deputado Distrital
COMPARTILHAR
Artigo anteriorLista de Janot com políticos sai esta semana
Próximo artigoServidores do GDF podem ter que devolver reajustes concedidos por Agnelo
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code