Confiar nas realizações do passado para elegê-lo

Cuidado. O atraente está no futuro, no que ainda não foi feito.

O passado tem o poder de derrotar um candidato, raramente de elegê-lo.

Este erro, frequentemente cometido, inclusive por políticos de grande nome e experiência, decorre da presunção do candidato de que o eleitor vai valorizar, da mesma forma que ele valoriza, o seu passado de realizações. Em tese, isto é, em abstrato, o argumento faz sentido.

Experiência “bate de frente” com mudança, que atrai eleitores

O eleitor, de acordo com este pensamento acima, deveria sempre escolher o candidato que avaliza com seu passado de realizações as promessas que faz para o futuro, em detrimento daquele que tem pouco ou nada para mostrar do que já fez. Dito de outra forma, o candidato “experiente” deveria sempre sobrepujar seus adversários menos experientes. Confiado na solidez eleitoral deste argumento, a campanha do candidato “experiente” concentra-se na apresentação das obras e realizações, na tentativa de comprovar o quanto ele é superior aos seus adversários.

Na realidade, este posicionamento da candidatura apoia-se em alguns pressupostos que, de tão óbvios, normalmente não são discutidos na equipe de campanha:

1. Pressuposto de que o eleitor valoriza mais a experiência do que a inovação;
2. Pressuposto de que a principal função da publicidade é produzir peças destinadas a lembrar o eleitor que o candidato é o autor daquelas obras e realizações;
3. Pressuposto de que o eleitor, lembrado das suas realizações, faz o seguinte raciocínio: “se ele, quando esteve no poder, foi capaz de fazer tais e tais obras, se voltar ao poder fará mais ainda, ou pelo menos vai repetir seu desempenho”;
4. Pressuposto de que este raciocínio (eleitor) / argumento (candidato) é imbatível, na comparação com os argumentos dos outros candidatos.

Ainda que estes pressupostos sejam válidos para alguns eleitores, eles não possuem igual validade para a maioria. De fato, todos eles são discutíveis.

Pressuposto de que a experiência é mais valorizada que a inovação

Este pressuposto “bate de frente” com o sentimento de mudar que é dominante nas eleições. Eleições são momentos de mobilização de esperanças e expectativas, sobretudo para os segmentos mais necessitados da população. Nas eleições há sempre uma nítida pré-disposição para a mudança, da parte do eleitorado.

Em consequência, a candidatura identificada com a inovação e mudança encontra uma maior consonância com o sentimento da população do que aquela identificada com a continuidade, ou mesmo com a repetição do que já foi realizado. Isto não significa que as pessoas desmereçam o que já foi feito. Muito ao contrário, em geral o valorizam. Mas, já foi feito, está lá…. O atraente está no futuro, no que ainda não foi feito.
Pressuposto de que basta “lembrar” o eleitor

As lembrança do passado não garantem vitória ao candidato

A publicidade que força o recall das realizações passadas, para muitos eleitores, produz um efeito de desconforto. Ela não apenas vai contra o sentimento dominante pela mudança, mas é percebida como uma “cobrança”, um constrangimento. Ela opera com o seguinte argumento de persuasão: “você tem o dever de votar em mim porque eu já fiz tudo isto para você”.

Não é necessário insistir o quanto esta forma de persuasão é antipática, não apenas na política, mas em qualquer outra esfera da vida pessoal. O voto, que o eleitor considera seu, e em relação ao qual, a cada 2 ou 4 anos, sente-se livre para dele dispor como bem entender, parece-lhe que está sendo roubado por um argumento que, se ele o aceitar, não lhe dá espaço de escolha.

Pressuposto “quem já fez fará novamente”

Este argumento não é tão tranquilo como parece ao candidato. Primeiramente, porque suas realizações, pelo menos boa parte delas, deverão ser controvertidas. Haverá quem as conteste em si mesmas, ou a forma como foram executadas. Além disso, o eleitor possui uma percepção intuitiva de que os tempos são outros e as condições mudaram. E o que é ainda mais importante, que outros também podem fazer, e quem sabe, mais e melhor.

Implícito e contrabandeado no interior do argumento “quem fez, fará”, está outro argumento bem mais discutível: “os outros não têm condições de fazer”. Ora, é razoável aceitar-se o primeiro argumento, mas é uma demasia desejar que o segundo seja também igualmente aceitável para os eleitores.

Pressuposto de que o argumento é imbatível

De tudo que foi até agora exposto, fica claro que o argumento está longe de ser imbatível, na comparação com os outros. Ao contrário, ele possui várias fragilidades que somente aparecem quando se faz uma análise mais detalhada dos seus pressupostos. O erro, portanto, não está em usar o passado de realizações na campanha, de propô-lo como um avalista das intenções, e até mesmo de mostrá-lo como um diferencial, na comparação com outros candidatos.

O erro está em basear a campanha nele, fazendo-a voltar-se para o passado e apresentar sua publicidade de maneira pesada, forçando o eleitor ao constrangimento, criando nele a sensação de que está lhe devendo o voto. A campanha tem que olhar para frente, comprometer-se com as mudanças, sintonizar com as expectativas e sentimentos do eleitor. Este deve ser o tom e o espírito que domina a sua campanha.

As realizações passadas surgirão como um sub-tema, secundário e periférico ao tema central, embora funcionando como um reforço de credibilidade. O critério, para selecionar o que buscar do passado para a campanha, deve ser um “gancho” estabelecido com um projeto para o futuro. Nunca a mera rememoração do passado.

Fonte: Política para Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorComerciais de TV III: As 7 diretrizes básicas
Próximo artigoO erro do assessor II: forçar sua pauta de prioridades
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code