Dilma deve oferecer jantar à cúpula do PMDB na próxima segunda-feira

pmdb1cafe1finalEm um esforço para se reaproximar do principal sócio do PT no governo federal, a presidente Dilma Rousseff deverá oferecer um jantar à cúpula do PMDB na próxima segunda-feira (2) no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República. O objetivo da chefe do Executivo, segundo o G1 apurou, é sinalizar aos peemedebistas que ela pretende incluir a legenda nas decisões políticas do governo.

Foram convidados para o jantar no Alvorada o presidente nacional do PMDB e vice-presidente da República, Michel Temer, os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os seis ministros peemedebistas e os líderes do partido no Congresso Nacional.

Na última segunda (23), Michel Temer reuniu os ministros da área econômica e a cúpula do PMDB em um jantar no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-presidência. Na ocasião, os ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento) e Alexandre Tombini (Banco Central) apresentaram ao partido as medidas de ajuste fiscal do governo e as margens de negociação com o Legislativo.

Após o jantar, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu – uma das seis ministras da cota do PMDB –, afirmou que os colegas da área econômica foram “convincentes” ao demonstrar à sigla aliada a necessidade de se aprovar no parlamento as duas medidas provisórias que promovem medidas de ajuste fiscal. Kátia relatou o PMDB garantiu apoio do PMDB nas votações das MPs. Na avaliação de Temer, o jantar serviu como “primeiro passo” para o PMDB votar a favor das medidas provisórias MPs.

A já conturbada relação entre Dilma e o PMDB se deteriorou durante a tentativa do Palácio do Planalto de isolar os peemedebistas no governo, lançando o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) na disputa pelo comando da Câmara dos Deputados.

A derrota de Chinaglia no primeiro turno da eleição interna deixou o PT de fora da mesa diretora da Casa. Além disso, já em suas primeiras semanas à frente da Câmara, Eduardo Cunha impôs derrotas importantes ao Planalto no Legislativo, como a aprovação da PEC do Orçamento Impositivo e a criação de uma nova CPI para investigar denúncias contra a Petrobras.

Diante do tensionamento da relação com os peemedebistas, Dilma passou nas últimas semanas a emitir sinais de reaproximação com a sigla aliada. No último dia 5, na mesma semana em que foram realizadas as eleições que escolheram os presidentes da Câmara e do Senado, a petista recebeu no Palácio do Planalto Renan Calheiros e Eduardo Cunha. Temer e os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Pepe Vargas (Relações Institucionais)  também acompanharam a reunião.

Padrinho político da presidente da República, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também entrou em campo para tentar aparar as arestas entre petistas e peemedebistas, participando de um café da manhã, nesta quinta (26), na residência oficial do presidente do Senado. Os principais nomes do PMDB compareceram ao encontro.

Fonte: Filipe Matoso Do G1, em Brasília

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bom Beto. Sem vocea jamais treaimos estes momentos registrados. Espero que a ABES tenha como armazenar este acervo para no futuro relembramos o nosso passado. As coisas boas que estamos fazendo Uma abrae7o, Vitorio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here

*

code

Please enter your comment!