Eleições 2018: eleitores transexuais e travestis podem se registrar com nome social e alterar gênero

eleies-350x350A partir da próxima terça-feira (03) e até o dia 09 de maio, eleitores transexuais e travestis poderão solicitar a inclusão de seu nome social e atualizar a identidade de gênero para participar das eleições do dia 07 de outubro. A opção pela autoidentificação foi decidida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em março e, na última semana, o Tribunal decidiu também que transexuais e travestis podem solicitar a emissão dos seus títulos com seus nomes sociais.

Nome social é aquele que designa o nome pelo qual o transexual é socialmente reconhecido. Já a identidade de gênero estabelece com que gênero – masculino ou feminino – a pessoa se identifica. As alterações e inclusões poderão ser feitas em qualquer cartório eleitoral até o fechamento do cadastro, que ocorre no dia 09 de maio. Os interessados precisam apresentar um documento de identificação com foto no ato da solicitação.

“Quem optar pela autodeclaração de nome e gênero poderá votar nas Eleições 2018 já com seu nome social consignado no título de eleitor e também no cadastro da urna eletrônica e caderno de votação. Já o reconhecimento da identidade de gênero é importante, sobretudo, para os transexuais e travestis que desejam se candidatar pois, embora a informação do gênero não esteja impressa no título, será levada em conta para o cálculo dos percentuais mínimos e máximos no pleito deste ano, de acordo com a legislação eleitoral”, explicou o desembargador Pedro Augusto Mendonça de Araújo, corregedor regional eleitoral.

A Corregedoria Regional Eleitoral (CRE) de Alagoas encaminhou ofício-circular aos juízes eleitorais orientando sobre a inclusão do nome social no cadastro eleitoral e, também, acerca da expedição do título eleitoral, em papel ou no formato digital, com o referido dado.

Nome social independe da identidade de gênero

O registro do nome social e a atualização da identidade de gênero são procedimentos independentes. O eleitor pode optar por realizar um, dois ou ambos. Somente o nome social constará no título, sendo a identidade de gênero apenas atualizada no cadastro eleitoral. Após a alteração, será emitido um novo documento com o mesmo número, que deve ser entregue ao cidadão no ato da solicitação.

A assessora da CRE, Valeska Emídio, explica que a Justiça Eleitoral não aceitará nomes que possam ser considerados ridículos, degradantes ou que atentem contra o pudor. “As restrições visam garantir a identificação correta e o tratamento digno aos eleitores transexuais e travestis. Não será preciso apresentar nenhuma declaração oficial para requerer o uso do nome social, sendo a autodeclaração do eleitor suficiente para a Justiça Eleitoral”, destacou.

Os candidatos que não tiverem atualizado sua identidade de gênero da Justiça Eleitoral até o dia 09 de maio não poderão concorrer por cota de gênero diferente da informada no cadastro. Para compor determinada cota de gênero, o eleitor que pretende se candidatar a um cargo público nas eleições deste ano deverá indicar o gênero com o qual se identifica até o dia 09 de maio, quando se dá o fechamento do cadastro eleitoral.

Para o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE/AL), desembargador José Carlos Malta Marques, além de garantir a identificação desejada, o nome social no título de eleitor assegura tratamento digno ao cidadão. “Com o nome social constando nas folhas de votação e nos terminais de atendimento dos mesários nas seções eleitorais, abordaremos adequadamente esses eleitores, respeitando suas individualidades”, enfatizou Malta Marques.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code