Grécia aceita duro acordo com o Eurogrupo em troca de novo resgate

img_6306aApós 17 horas de negociações difíceis, os 19 países da Eurozona chegaram a um acordo “por unanimidade”.

Bruxelas, Bélgica – Os líderes da zona do euro alcançaram nesta segunda-feira (13/7) um acordo para começar a negociar um novo programa de resgate com a Grécia, que impõe ao governo de Alexis Tsipras uma série de medidas draconianas e grandes sacrifícios para a exausta economia do país. Após 17 horas de negociações difíceis, marcadas pela desconfiança e pela divisões, assim como pela ameaça de uma saída da Grécia da união monetária, os 19 países da Eurozona chegaram a um acordo “por unanimidade”.

“O ‘Grexit’ desapareceu”, disse à AFP o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, depois de reconhecer que a missão foi “trabalhosa”. A possibilidade de uma saída da zona do euro estava sobre a mesa durante boa parte das negociações, iniciadas no domingo à tarde. “A reunião de cúpula da Eurozona alcançou por unanimidade um acordo. Está tudo pronto para um programa de ajuda através do MEDE (Mecanismo Europeu de Estabilidade) para a Grécia com sérias reformas e apoio financeiro”, disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Os mercados europeus reagiram bem ao acordo e as Bolsas operavam em alta. O Parlamento grego deve aprovar agora as reformas negociadas com os sócios europeus, uma série de medidas duras de ajuste em termos de pensões, aumento de impostos e ampliação do programa de programa de privatizações. Uma vez aprovado pelos deputados gregos, os Parlamentos nacionais europeus poderão conceder um mandato ao Eurogrupo para iniciar as negociações do resgate.

O presidente francês, François Hollande, celebrou uma “decisão histórica” da União Europeia e a “corajosa decisão” do primeiro-ministro grego Alexis Tsipras. Ele afirmou que batalhou “até o fim” para obter um acordo, que os sócios da zona do euro defenderam que fosse “mais rigoroso” pela falta de confiança após seis meses de negociações infrutíferas. Mas para a chanceler Angela Merkel, “o caminho será longo e difícil”, como evidenciou a longa negociação precedida por uma reunião de ministros das Finanças iniciada no sábado e encerrada no domingo com vários pontos em suspenso.

Questionada se o acordo representa um novo Tratado de Versalhes (que significou a humilhação da Alemanha após a I Guerra Mundial), Merkel disse: “Não sou partidária das comparações, exceto quando eu mesmo as faço”. “Espero que todos cumpram”, declarou o presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy.

Desde que o governo impôs um controle de capitais em 29 de junho, a economia grega está paralisada. Os bancos sobrevivem apenas graças à ajuda de emergência do BCE, cujo conselho de ministros realizará uma conferência telefônica para decidir se mantém a oxigenação das instituições gregas.

Crédito de emergência
Agora a urgência é fazer com que a Grécia consiga honrar o pagamento de 4,2 bilhões de euros ao Banco Central Europeu até 20 de julho. Para isto, os ministros das Finanças da zona do euro voltam a se reunir nesta segunda-feira para conceder a Atenas um crédito pontual. O terceiro resgate ao país, que foi beneficiado por programas de ajuda em 2010 e 2012, está avaliado em algo entre 82 e 86 bilhões de euros durante três anos.

O documento final inclui vários pontos que o governo de Tsipras queria evitar, como a participação do FMI no resgate, novas privatizações e a criação de um fundo de 50 bilhões de euros controlado pela UE que servirá para amortizar a dívida. Sobre a dívida, o documento abre o caminho para uma reestruturação e a ampliação dos prazos, mas recorda que não é possível uma redução.

O acordo obriga o governo grego a legislar rapidamente esta semana sobre as novas medidas, incluindo a reforma das pensões e a abertura à concorrência em setores como transporte marítimo e energia, assim como uma “revisão e modernização” do mercado de trabalho. Na Grécia, muitos cidadãos usam as palavras “humilhação, miséria e escravidão” para definir o acordo.

A situação pode provocar uma nova crise política para Alexis Tsipras, que conseguiu o apoio da oposição nas negociações com os credores, mas sob o risco de aumentar as divisões dentro de sua coalizão.

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code