Hélio José faz nova audiência pública, na quinta (14), para cobrar regularização fundiária no DF

Discussão deve abordar acompanhamento da aplicação e regulamentação da Lei 13.465/2017, sancionada no fim em dezembro de 2016, além de derrubadas da AGEFIS.

A Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal realiza na quinta-feira, 14 de dezembro, às 14 horas, audiência pública ‘Regularização fundiária e o fim das derrubadas’, no auditório Petrônio Portella. Sob presidência do senador Hélio José (PROS-DF). O objetivo é tratar da aplicabilidade da Lei 13.465, no âmbito do DF. A regulamentação da lei e as derrubadas promovidas pela gestão do governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), também são temas a serem tratados no evento.

Para o senador Hélio José, mesmo com a sanção da Lei 13.465, a cerca de seis meses, o GDF parece ignorar a aplicação da lei. Outro problema questionado pelo parlamentar é a demora na regulamentação da legislação específica da regularização fundiária, no DF.

“No DF, temos aproximadamente um milhão e meio de pessoas que aguardam a regularização fundiária. São pessoas que tiveram as casas derrubadas, ou estão sob ameaça por parte da AGEFIS. Pessoas que aguardam pela regularização das áreas em condomínios, nas cidades novas e em áreas rurais. Enfim, pessoas que há pelo menos a seis meses têm na lei 13.465 a solução para a regularização de seus imóveis, mas a impressão que se tem é que não há envolvimento por parte do governo para resolver o problema.”, disse Hélio José.

Nesse contexto, órgãos a exemplo da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária no Distrito Federal (INCRA-DF) e a da Superintendência de Patrimônio da União do Distrito Federal (SPU-DF) devem ser cobrados em relação as ações a efetividade na implementação da regularização fundiária, no âmbito do DF.

Hélio José lembrou ainda que mesmo após a sanção da lei 13.465, que a Agência de Fiscalização de Brasília (AGEFIS) continua a promover derrubadas de casas, e também de igrejas, em desocupações consideradas irregulares. Problema esse que preocupa o parlamentar.

“Muito nos preocupa que passados seis meses da sanção, que o DF ainda não tenha a regulamentação da Lei. E o mais grave, as derrubadas continuam a acontecer e agora o GDF, a AGEFIS chegou ao cúmulo de além de tirar o lar das pessoas, também está tirando o direito de as pessoas manifestarem sua fé, com a derrubada de igrejas. Então queremos ouvir, novamente, os vários órgãos que tratam da regulamentação fundiária para saber por que tanta demora”, disse Hélio José.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code