Impasses na gestão do Mané Garrincha mancham legado

20150612013759Brasília tem pouco a comemorar um ano após a Copa do Mundo. Arena candanga virou problema.

Há  um ano o País vivia a  expectativa pela conquista do hexacampeonato mundial, que acabou não se concretizando após a derrota por 7 x 1 para a Alemanha. Entre  bons momentos e frustrações, Brasília ficou mais próxima da segunda sensação, com pouco a comemorar no quesito legado da Copa.

Promessas sobre mobilidade urbana, segurança, turismo e  uso ativo do  estádio Mané Garrincha pouco evoluíram, assim como a seleção liderada por  Luiz Felipe Scolari.

Embora concluída com ressalvas,   a arena candanga ganhou mais ares de cartão postal do que praça esportiva. Com projeto inicial de R$ 745,3 milhões,  acrescido de  R$ 1 bilhão, totalizando R$ 1,8 bilhão – de acordo com  o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TC-DF) –  o palco de sete jogos do Mundial demanda reparos urgentes.

O espaço tem custo mensal de aproximadamente  R$ 600 mil mensais. Os gastos incluem energia, limpeza, automação, reposição de peças, entre outros.

Elevadores  e escadas multiuso não estão funcionando e a peça principal do estádio, o gramado, tem recebido queixas de jogadores e técnicos que aqui jogam. A empresa Greenleaf, responsável pela grama do estádio desde a reconstrução da arena, estava sem o contrato com o governo desde dezembro   passado.

Somente agora, quase na metade do ano, que as licitações de manutenção em geral começam a andar.

Tanto os elevadores e escadas multiusos como o gramado tiveram as “licitações bem-sucedidas”, informa a Secretaria de Turismo, uma das administradoras do espaço em conjunto  com a  Terracap, a Novacap e a  Secretaria de Gestão Administrativa e Desburocratização.

Outros três contratos ainda estão sendo licitados: manutenção predial – reparo e manutenção de itens como bebedouros, vidros, pisos e placas de gesso, entre outros; automação; sistemas de câmeras de segurança, alarmes e som; e ar condicionado.

Pouco Lucro

Desde a  sua reinauguração, em maio de 2013, o Mané Garrincha  arrecadou  R$ 6,5 milhões aos cofres públicos em taxas de ocupação de eventos. O  valor é inferior à renda obtida  em um único jogo pela  empresa que organizou o duelo  entre Santos x Flamengo, pelo Brasileirão de 2013, quando recolheu R$ 6,9 milhões.
Apenas 22 partidas após o Mundial

De um ano para cá, o estádio recebeu poucos eventos esportivos. O futebol, no entanto, segue como carro-chefe.

Duas  partidas do Campeonato Brasileiro foram disputadas neste ano. Ao todo, desde o fim da Copa do Mundo, foram cinco jogos da Série  A; três da Série B; oito  de torneio feminino; três amistosos.

Os times do DF, contudo, só usufruiram do estádio em apenas três oportunidades. Vale recordar que durante o Candangão, várias jogos foram disputadas com os portões fechados por determinação do Ministério Público do Distrito Federal.

Com 22 jogos, a média de público é pífia: apenas 12.624 torcedores por partida, pouco mais de 17% de sua capacidade, não lotando nem  sequer a arquibancada inferior, que pode receber até 22 mil pessoas.

Além destes compromissos houve também um duelo de futsal, com quase 60 mil  presentes, e até uma partidaexibição de futebol americano, sem a marcação correta do gramado.

Um dos fatores que afasta o uso do estádio é o custo alto. No jogo entre Atlético-MG 4 x 1 Fluminense, por exemplo, teve um custo total de R$ 300.986,21, 49% da renda da partida.

 Governo ocupa o local

A  localização estratégica – próxima ao  Palácio do Buriti – e as  amplas instalações  fizeram com que o  governador Rodrigo Rollemberg decidisse,  no mês de  maio,   instalar três secretarias no estádio. A medida, para economizar com aluguel, encontrou   destinação a   aproximadamente  40 salas que foram construídas para abrigar o pessoal da FIFA durante a Copa do Mundo e que estavam absolutamente vazias.

As Secretarias de Desenvolvimento Humano e Sustentável, de Esporte, e de Economia e Desenvolvimento Sustentável estão temporariamente no local, com quase 400 servidores que  utilizam a “monstruosa”  arena como escritório. As   pastas  compartilham  gastos com os contratos de limpeza e segurança.

Elas terão que deixar o Mané Garrincha antes de agosto do próximo ano, quando será disputado os Jogos Olímpicos de 2016. A arena receberá dez partidas   (três do futebol feminino e sete do masculino). Até lá, o governo pretende que o novo Centro Administrativo, em Taguatinga,   esteja funcionando, apto a receber  funcionários.

A medida, de acordo com o GDF, representa uma redução anual nas despesas do governo na ordem de R$ 14,4 milhões.

 Fonte: Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code