Interinos e permanentes poderão indicar pelo menos 2 mil cargos para as administrações

renato santanaAté que as negociações pelas administrações regionais sejam resolvidas, interinos e permanentes poderão indicar pelo menos 2 mil comissionados. Existem pelo menos seis localidades que ainda dependem dos arranjos políticos para que os administradores sejam definidos. Cidades com mais cargos despertam maior cobiça.

E existem administrações onde a quantidade de vagas é considerada insuficiente. Recém-empossados, alguns administradores já pediram o aumento no número de cargos, mesmo com diminuição na remuneração de parte deles. Mesmo assim, os pedidos têm sido negados, já que as estruturas já estão definidas.

O governo já trabalha com a possibilidade de que as eleições diretas para administrador regional demorem pelo menos dois anos para serem discutidas e regulamentadas.

Mesmo administrações que serão extintas ou fundidas com outros locais terão sua cota de comissionados. É o caso de Varjão, Itapoã, SIA e Jardim Botânico. Ainda assim, até que o projeto de mudança na estrutura administrativa seja aprovado pela Câmara Legislativa, essas cidades terão pessoal próprio.

O Diário Oficial de quarta-feira dividiu as administrações em três grupos, de acordo com o tamanho e número de habitantes. Nesse caso, a cidade pode ter entre 60 e 80 comissionados. O grupo I, mais cobiçado entre os parlamentares que disputam as indicações, terá Plano Piloto, Ceilândia, Planaltina e Samambaia. Cada uma delas poderá contar com o número máximo de cargos. Nesses locais, foram indicados Igor Torkarski, do PSB, o vice-governador Renato Santana (PSD), Dinalva Cantallopes e Claudeci Miranda, na cota do PRB. Apenas o último deles foi escolhido para o cargo em definitivo.

Pode ser um elo

Existem casos onde o nome indicado pode representar um elo entre o governo e um futuro apoiador. É o que ocorre em Planaltina, onde a administradora, Dinalva Cantallopes, trabalhou na campanha do deputado distrital Rogério Negreiros (PMDB), oficialmente ainda fora da base. O distrital garante que não participou de negociações. “A princípio não pretendo indicar ninguém, mas estou aberto a conversar com o governo, mas sem utilizar o nome do partido”, resumiu. Dinalva Cantallopes não atendeu aos telefonemas.

Secretário pede um pouco mais de cautela

O secretário de Relações Institucionais, Marcos Dantas, é um dos responsáveis pelas negociações. Ele minimiza as disputas e as classifica como normais. “Quando se tem espaços importantes sempre há descontentamentos. O importante é que esses gestores consigam realizar o que é preciso nas cidades, deem resultados para suas comunidades”, disse.

As conversas sobre Ceilândia são mantidas em sigilo pelo primeiro escalão do governo. Mesmo assim, já é aceita a possibilidade de que a cidade seja controlada por Renato Santana ainda por pelo menos mais duas semanas.

Dantas admite que o PSD pode continuar como responsável pela cidade mais populosa do DF. “O Renato é um cara muito habilidoso e tem ajudado muito nessa construção. Ele tem a capacidade de intervir na crise, ter uma saída. Pode ser que fique com o PSD, afinal o vice-governador é de lá, o deputado mais votado da nossa coligação é de lá. O PSD tem legitimidade para reivindicar Ceilândia. Temos que ver a densidade das forças políticas, porque isso também é importante”, afirmou.

Sobre Planaltina, o secretário de Relações Institucionais garante que a ligação com a administradora é antiga. “Dinalva sempre foi uma parceira do PSB, desde que o Rodrigo (Rollemberg) era deputado distrital. Miguel Arraes dizia uma frase ótima: “Nunca ponha alguém que você não possa tirar”. Isso responde”, brincou.

Como será a distribuição

Grupo 1 – até 80 cargos:  Plano Piloto, Taguatinga, Planaltina, Ceilândia e Samambaia.

Grupo 2 – até 70 cargos: Gama, Sobradinho, Guará, Cruzeiro, Santa Maria, São Sebastião, Recanto das Emas e Águas Claras.

Grupo 3 – até 60 cargos: Brazlândia, Paranoá, Núcleo Bandeirante, Lago Sul, Riacho Fundo I, Lago Norte, Candangolândia, Riacho Fundo II, Sudoeste-Octogonal, Varjão, Park Way, Setor Complementar de Indústria e Abastecimento, Sobradinho II, Jardim Botânico, Itapoã, Setor de Indústria e Abastecimento, Vicente Pires e Fercal.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMarcando espaço
Próximo artigoPT deve evoluir para independência
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code