Magela é investigado há 2 anos em esquema de cooperativa habitacional


A investigação conduzida pela Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Decap) serviu de espinha dorsal para municiar de informações os investigadores federais à frente da Operação Clã. Com os primeiro indícios de uma engrenagem criminosa incrustada dentro da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), os policiais civis coletaram depoimentos e recibos que apontavam para o pagamento de propina ocorrida com a anuência de Magela e seu pupilo Rafael Carlos Oliveira, que o sucedeu na Codhab.

Apesar de a suspeita de Magela e Rafael estarem ligados ao esquema, nenhum dos dois foi incomodado pelas autoridades do DF durante a operação “Terra Prometida”, deflagrada pela Decap em 30 de setembro de 2015.

Na época, dois servidores da Codhab e um terceiro envolvido foram presos temporariamente, suspeitos de cobrar propina entre R$ 5 mil e R$ 20 mil para a liberação de lotes dos programas Pró-DF e Morar Bem, ambos do GDF. Segundo as apurações, as vítimas pagavam valores para os servidores com a promessa de que o lote não seria tomado. O inquérito da Decap conta com uma série de recibos que teriam sido entregues mediante os repasses fraudulentos.

De acordo com as investigações, os criminosos atuavam como despachantes. A partir de informações privilegiadas e ligações com alguns políticos – supostamente Geraldo Magela – eles prometiam regularização de lotes e inserção nos programas do Pró-DF, mais especificamente no Polo JK, em Santa Maria, e em lotes destinados ao Morar Bem, no Riacho Fundo.

Quando a investigação da Polícia Civil esbarrou na suposta prática de crimes contra a União, a apuração foi encaminhada à PF e deu origem à Operação Clã.

Magela nega
Na quinta-feira (2), após passar mais de seis horas prestando depoimento à Polícia Federal, Geraldo Magela publicou uma mensagem em sua página pessoal no Facebook negando ter desempenhando “papel preponderante” na elaboração de aditivos suspeitos.

Segundo a assessoria de imprensa do ex-secretário, que assina a peça publicada na rede social, as suspeitas não estão em conformidade com a realidade. “Todas as ações empreendidas pelo ex-Secretário Magela e pela equipe da Sedhab foram no sentido de moralizar o projeto. São absurdas quaisquer conclusões em sentido diferente deste”, disse.

Fonte: Metrópoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code