O mapa político-eleitoral em 2013

O ano começa com o rearranjo de Prefeitos por todo o país. No somatório de siglas e poder, o PMDB se mantém como o maior partido em número de prefeituras, mas diminuiu de tamanho em relação a 2008. O PSDB e PT dividem as grandes cidades, o PSB foi o que mais cresceu, enquanto o PSD surge forte no cenário nacional.

Entre os 10 partidos com o maior número de Prefeituras, o PMDB se mantém em primeiro com 1.024 (177 a menos que em 2008), o PSDB é o segundo com 702 (89 a menos), e o PT o terceiro com 635 (77 a mais). Os destaques para este quesito são o PSB que apresentou o maior crescimento (132 prefeituras a mais que em 2008), e a impactante primeira eleição do PSD, elegendo 497 Prefeitos. Enquanto que o DEM, antigo PFL, segue seu declínio constante com 218 prefeituras a menos em 2012.

Já na quantidade de habitantes governados, o PT é o primeiro, impulsionado pela conquista da capital São Paulo, somando 19,7% do total. PMDB é o segundo (16,3%) e o PSDB o terceiro (13,3%). Destaca-se a quarta posição do PSB (11,1%), proveniente das cinco capitais conquistadas (Belo Horizonte, Recife, Fortaleza, Cuiabá e Porto Velho), o maior número de capitais administradas dentre todos os partidos.

Números semelhantes se dão também na comparação dos orçamentos anuais administrados. O PT contará com R$70,3 bilhões, o PMDB R$52,4 bi., e o PSDB R$40,7 bi. Somente os três partidos serão responsáveis por quase metade do orçamento total disponível aos municípios em 2013.

Na análise da taxa de efetividade por partido, ou seja, o número de eleitos em relação a quantidade de concorrentes, o PSD  foi o primeiro com 45,5%. Foram 1.092 candidatos do PSD, sendo 497 eleitos. O PMDB foi o segundo com efetividade de 45,3%, ficando o PP em terceiro com 43,7%. Destaque para o PSB que teve o maior aumento da efetividade, saindo de 36,4% em 2008 para 42,8% em 2012. Resultado do forte trabalho interno desenvolvido pelo partido a nível nacional, credenciando-o a almejar vôos maiores nas próximas eleições. Além do PSB, apenas o PT apresentou pequena variação positiva da taxa de efetividade, comprovação imediata do forte impacto da criação do PSD.

Contudo, nem todos os 5.564 municípios brasileiros viram os prefeitos eleitos em 2012 tomarem posse neste 1º de janeiro. Por motivos judiciais, em 59 cidades deverão haver novas eleições a partir de fevereiro.

De todo modo, o quadro político inicial de 2013 projeta o que se deve esperar para as próximas eleições. As maiores bancadas de Prefeitos tendem a ter maior força estadual, e a fazer o maior número de deputados nas eleições seguintes, refletindo diretamente no “peso” dos partidos quanto a fundos e tempo de propaganda eleitoral, fatores de barganha fundamentais nas disputas ao executivo.

No cenário nacional o jogo permanecerá polarizado entre PT e PSDB, tendo como principais coadjuvantes o PSB e o PMDB. Reflexo do fato de que PT e PSDB comandarão as maiores cidades do país, incluindo capitais e municípios com mais de 200 mil habitantes. O PT tem 16, e o PSB 15. Enquanto o PMDB tem o maior número de prefeituras, e o PSB o maior número de capitais administradas, possuindo liderança em ascensão. Variáveis que começarão a ser discutidas visando a próxima eleição. Dessa forma, o primeiro dia de 2013 possibilita fortes indicadores do que veremos em 2014.

Fonte: Strattegy Comunicação & Marketing Político

COMPARTILHAR
Artigo anteriorProváveis postulantes ao Planalto vão percorrer o país em 2013
Próximo artigoA Construção partidária (Kassab x Marina) – 2014
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code