O papel do marketing na ação política



political-animals-imgMuitos consideram que o marketing político é prejudicial à democracia, alegando que estará na origem da plasticização dos políticos e da ação política, devendo, por isso, ser evitado para tornar os políticos mais autênticos e genuínos.

Entendo que o marketing aplicado na ação política não tem nada a ver com charlatanismo, ilusionismo ou banha da cobra. Antes pelo contrário. Por isso, não concordo que o marketing seja o bicho mau da política contemporânea e vou procurar explicar porquê, de forma sintética.

Podemos designar o marketing político como um conjunto de estratégias e técnicas de investigação, planejamento e comunicação que têm por objetivo captar a simpatia do eleitorado na campanha política para as eleições e, em caso de vitória, na ação governamental depois das eleições.

O interesse do marketing político está em criar condições para aumentar as possibilidades de um candidato político captar o interesse dos eleitores e o seu voto, através da geração de estratégias de ação política que satisfaçam as expectativas dos eleitores e façam com que os eleitores se identifiquem com esse candidato, sua ideologia e seus valores.

Estamos falando de “marketing político” quando a comunicação política está focalizada no eleitor. Quando políticos e governos não têm em conta a opinião dos eleitores não há marketing político na comunicação das mensagens e, o mais provável, é que haja muito ruído entre governantes e governados.

Políticos e organizações políticas – sejam partidárias ou governativas, de escala municipal, regional ou nacional –, aplicam o conceito de “marketing político” quando dividem os eleitores por segmentos distintos, para depois moldarem as mensagens e escolherem os canais utilizados para difusão pública em função da situação dos destinatários – segundo seu estrato social, econômico, cultural ou educacional, e segundo suas opiniões sobre as matérias mais salientes na agenda do político ou do governo.

O objetivo do político ou do governo é que suas mensagens sejam entendidas por todos, de modo a que garantam uma maioria de opiniões positivas entre a população. Quanto mais a ação do governante priorizar o cumprimento das promessas eleitorais, que foram feitas para os segmentos que o elegeram, mais positivas são as opiniões do eleitorado, estando assim garantida uma base sólida de apoio, que será determinante na próxima eleição.

Para isto funcionar com êxito, é preciso conhecer bem o eleitorado, fazendo pesquisas, previamente. Isso é investigação de marketing político. Quem quer lançar um novo produto no mercado também faz um estudo de mercado. Isso é investigação de marketing. Quem vai usar a palavra perante uma plateia tem de saber, antecipadamente, para quem estará falando, sob pena de não ser entendido por quem está na sala. Isso é comunicação, ou mais concretamente, preocupação em comunicar bem.

Os candidatos políticos ou os governos também precisam investigar o terreno onde vão atuar. Para além de identificarem os problemas e as soluções de governação – para um País, uma região ou um município –, eles também precisam saber para quem vão falar e para quem vão decidir. Para serem bem entendidos e conseguirem construir uma relação de confiança e entendimento mútuo.

As pesquisas são justamente as ferramentas que permitem conhecer os eleitores com grande precisão, de modo que a ação política e a comunicação tenham em atenção aquilo que os eleitores valorizam ou os problemas que esperam ver resolvidos. Por isso, podemos concluir que as ações de marketing político respeitam os eleitores – desde logo querendo conhecê-los e entendê-los – e tornam o governante mais claro e transparente na sua relação com eles.

Neste sentido, penso que o marketing político deve fazer parte da ação política, como elemento de gestão na relação entre governantes e governados, sendo, portanto, bom para a democracia.

Fonte: Blog Comunicação Integrada

COMPARTILHAR
Artigo anteriorEscolha de Patrício no quebra-cabeças do PT
Próximo artigoTodi Moreno cada vez mais próximo do mandato na Câmara Federal
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code