Papa admite que tentou ajudar nas negociações de paz na Colômbia

20150928094737429619i“Estou muito feliz, sempre quis isto. Conversei duas vezes com o presidente (Juan Manuel) Santos e não apenas eu. A Santa Sé tentou ajudar como podia”, disse o pontífice argentino ao ser questionado sobre o compromisso de paz alcançado na semana passada entre o governo da Colômbia e a guerrilha das Farc. “Quando soube da notícia de que o acordo final seria assinado em março, pedi ao Senhor: ‘faça com que chegue março, que se cumpra o prometido, porque faltam pequenas coisas, mas a vontade existe entre as duas partes”, completou.

Tanto o governo colombiano como a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) reconheceram a autoridade moral do papa Francisco e seu papel chave, quando fez em Cuba no dia 21 de setembro um apelo para que as partes não permitissem o fracasso das negociações.

O pontífice reiterou que “há que esperar até março para que se assine o acordo definitivo e que fica pendente o assunto da justiça internacional”, sem apresentar mais detalhes. O governo e as Farc deram um passo significativo para o fim do conflito armado, que afeta a Colômbia há 50 anos, ao estabelecer na quarta-feira em Havana a criação de uma “jurisdição especial para a paz”.

O acordo exclui a concessão de anistias por crimes de guerra e crimes contra a humanidade e está planejado, entre outras coisas, para acabar com a impunidade pelos crimes mais graves.

Bombardeios na Síria

Interrogado sobre os primeiros bombardeios aéreos realizados no domingo pela França contra o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria, o Papa reconheceu que não havia lido nada e que não entendia bem o assunto. “Quando escuto as palavras bombardeio, morte, sangue, respondo o mesmo que disse ante o Congresso americano e nas Nações Unidas: é preciso evitar isso. Eu não julgo a situação política porque não a conheço”, disse. Todos os muros caem, lembra o Papa

Na conversa com a imprensa, Francisco foi interrogado sobre a crise migratória que atinge a Europa e as cercas de arame farpado que foram construídas para impedir a entrada de refugiados.

“É verdade, é uma crise de refugiados, como disse ao Congresso (dos Estados Unidos), nunca havia visto uma crise assim desde a Segunda Guerra Mundial. Me pergunta sobre as barreiras. Você sabe como os muros terminam. Todos, todos os muros caem, hoje, amanhã, ou em cem anos, mas todos caem. Não é uma solução. O muro não é uma solução”, afirmou.

O chefe da Igreja católica se referiu aos abusos de menores cometidos por religiosos e admitiu que compreende as famílias que não perdoam. “Sim, as entendo, rezo por elas e não as julgo”, disse. “Rezo e peço a Deus, porque Deus é um campeão em buscar caminhos de solução. Peço que conserte isso”, acrescentou.

Divórcio católico

Francisco, que em poucos dias preside uma complexa assembleia de bispos na qual serão debatidos temas importantes sobre o futuro da família católica, também abordou a reforma que adotou para facilitar a nulidade do matrimônio católico. “Aqueles que pensam no divórcio católico se equivocam porque este último documento fechou a porta ao divórcio, que podia entrar pela via administrativa”. “Era preciso reduzir os processos. Havia processos que duravam dez, quinze anos. Uma sentença, e depois outra sentença, e uma apelação e outra apelação e não terminava nunca”, explicou.

O Papa fechou a porta ao sacerdócio feminino, e insistiu que gostaria de visitar em breve a China, um país que “amo muito”. “Gostaria muito de ir à China. Temos contatos, falamos”, disse. Apesar da dura agenda cumprida, o Papa celebrará na quarta-feira a audiência geral e no domingo inaugura o Sínodo da Família.

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code