PF prende quatro pessoas em operação contra lavagem de dinheiro



pf-acronimoEmpresa suspeita de desvio de verba faturou R$ 465 milhões, diz PF.
Entre os presos estão três detidos em 2014 com R$ 113 mil em jatinho.

A Polícia Federal prendeu em flagrante em Brasília na manhã desta sexta-feira (29) quatro homens suspeitos de envolvimento em esquema de lavagem de dinheiro por meio de sobrepreço e inexecução de contratos com o governo federal desde 2005. De acordo com o delegado regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado, Dennis Cali, há 30 empresas sendo investigadas. Uma delas teria tido faturamento de R$ 465 milhões.

As prisões em flagrante ocorreram porque os policiais encontraram mensagens trocadas entre os suspeitos que indicavam a prática de crimes. A corporação apreendeu ainda mais de R$ 100 mil em espécie e dez carros de luxo no Distrito Federal, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás. Um avião avaliado em R$ 2,5 milhões também foi apreendido.

Entre os presos estão Marcier Trombiere Moreira, servidor de carreira do Banco do Brasil que trabalhou, na campanha do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT); o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, dono de uma gráfica que também prestou serviço para a campanha do governador petista e que, em 2010, chegou a ser investigado por supostas ligações com a produção de dossiês contra candidatos do PSDB; e um homem identificado como Pedro Medeiros.

Até o momento não há nenhuma autoridade com prerrogativa de foro ou partido político sendo investigado”
Dennis Cali, delegado da PF

Os três já haviam sido detidos em outubro do ano passado, quando a PF apreendeu um jatinho no Aeroporto Juscelino Kubitschek que transportava R$ 113 mil. A aeronave é a mesma apreendida na operação desta sexta. Cali afirmou que documentos apreendidos pela PF demonstraram que os homens mantinham a associação criminosa mesmo após a ação. A pena para associação criminosa é de 1 a 3 anos de prisão.

A Polícia Federal esteve na casa do ex-deputado Virgílio Guimarães (PT), no bairro Sion, região centro-sul de Belo Horizonte, para cumprir mandado de busca e apreensão. Nenhum detalhe do cumprimento do mandado foi divulgado. A reportagem tentou contato com o ex-deputado, mas ele não foi encontrado.

A Secretaria de Comunicação do Estado de Minas Gerais divulgou nota sobre a operação, dizendo que o governo mineiro “não é objeto de investigação neste processo”. Em Brasília, o delegado Cali disse que “até o momento não há nenhuma autoridade com prerrogativa de foro ou partido político sendo investigado”. “Até o momento o governador Pimentel não é alvo da investigação.”

Avião bimotor apreendido em Brasília pela Polícia Federal na Operação Acrônimo (Foto: Divulgação / PF)Avião bimotor apreendido em Brasília pela Polícia Federal na Operação Acrônimo (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

De acordo com a Polícia Federal, para ocultar a origem criminosa do dinheiro, os investigados usavam com frequência “laranjas” e fracionavam os valores em partes menores, manobra que é conhecida como “smurffing”.

Eles também se valiam de uma manobra conhecida como confusão patrimonial, quando em um mesmo espaço funcionam várias empresas. “Isso visa justamente dificultar a responsabilização e identificar quem é o dono da empresa”, disse o delegado.

Veículo apreendido pela Polícia Federal na Operação Acrônimo (Foto: Divulgação / PF)Veículo apreendido pela Polícia Federal na Operação Acrônimo (Foto: Divulgação / PF)

Operação Acrônimo
Cerca de 400 policiais federais cumprem 90 mandados de busca e apreensão expedidos pela 10ª Vara da Justiça Federal do DF. Nesta sexta, os policiais fizeram buscas em cerca de 30 endereços residenciais e 60 comerciais.

R$ 465 milhões é o faturamento de uma das empresas investigadas no suposto esquema de corrupção

O nome da operação faz referência ao fato de o prefixo da aeronave na qual foi localizado o dinheiro ser uma sigla formada pelas iniciais dos nomes dos familiares dos principais investigados.

Na apreensão do ano passado, quando começou a investigação, a Polícia Federal abriu um inquérito para apurar suposta lavagem de dinheiro. À época, a Coligação Minas Pra Você, de Pimentel, informou que Moreira e a gráfica de Oliveira Neto foram desligados com o fim da campanha eleitoral.

Ao longo dos oito meses de apurações, os policiais analisaram dados obtidos em notebooks, smartphones, tablets e outros dispositivos eletrônicos apreendidos com os suspeitos. Os investigadores analisaram mais de 600 gigabytes de informações e as cruzaram com outras fontes de base e dados.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code