Sai de baixo que lá vem o Fraga

Alberto Fraga (01)O partido Democrata fez jus à sigla DEM (Demo) em Brasília, ao patrocinar o escândalo dos pandoristas. Arruda, Paulo Octávio, Leonardo Prudente e outros menos votados eram os homens desse partido, que pagou um preço alto e vem minguando ano a ano, inclusive nacionalmente.

No DF, o presidente do DEM é o coronel Alberto Fraga, que foi secretário de Transportes do Arruda.

Não se assustem se Fraga sair candidato a governador em 2014, com um grande trunfo: ele é hoje a única efetiva voz de oposição ao governo Agnelo (PT). E como bate!

Agora mesmo está envolvido numa troca de notas com os petistas, na qual bate de modo até exagerado no deputado distrital Chico Vigilante. Mas tem quem goste!

Não dá para subestimar este Fraga, mesmo sabendo-se do portfólio de estragos que o DEM acumulou no DF desde 2009. Mas Fraga já foi deputado federal expressivo e venceu o plebiscito do desarmamento, sendo favorável ao uso das armas, quando ninguém imaginou que o Brasil seguisse nesse rumo. Vale registrar: ele ganhou a briga sozinho. Com isso, demonstrou que sabe fazer campanha e tem discurso convincente. Não pode ser menosprezado. Usa TV muito bem, no seu estilo raivoso.

Resta saber se conseguirá manter-se distante dos nomes que afundaram o partido em 2009/2010. Mas esta é uma definição que não aparecerá agora. De qualquer modo, quero ver como ele vai enfrentar o problema P.O. Na verdade, o político que deixou de usar esta sigla fez uma solenidade, em 2010, para entregar formalmente a sua ficha de desfiliação do DEM. Coitado do ex-vice presidente Marco Maciel, que acreditou nisso! Na verdade, Paulo Octávio tirou somente uma fotografia, mas na verdade não se desfiliou e hoje ainda é um “democrata”.

Problemas à parte, o certo é que, se Fraga for candidato a governador, vai dar trabalho. Ele é um trator.

Consta que, quando decidiu eliminar as vans no transporte coletivo de Brasília, um dos chefes da exploração desse serviço irregular prometeu matá-lo. Quando soube, Fraga falou assim: “Então vou facilitar a tarefa dele”. E desembarcou de repente na casa do cara, que nem tinha revólver aparente. O boato morreu naquele momento. Este é o estilinho dele.

Fonte: Blog do RENATO RIELLA / INFORMANDO E DETONANDO

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFracassos da “Ficha Limpa”
Próximo artigoCampanhas proporcionais: o segredo do posicionamento
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code