Um ataque insistente e recorrente ao Carnaval na Ceilândia



ceilambodromoÉ assim que se pode definir o que uma pequena elite preconceituosa e saudosista do carnaval carioca, encastelada em Brasília, insiste em não reconhecer que o carnaval em Ceilândia em todas as suas edições foi sempre um sucesso absoluto de público, organização e tranquilidade: milhares de amantes da festa de momo, famílias e crianças já passaram pelo ceilambódromo e nunca se noticiou qualquer tipo de ocorrências policiais graves que maculasse o espetáculo.

O evento se consolidou tanto que o saudoso Oscar Niemeyer deixou para  Ceilândia sua segunda obra fora do plano piloto: um maravilhoso e útil palco de desfiles, cultura, educação, entretenimento e formação profissional, voltado para a fábrica da alegria, o nosso ceilambódromo Joãosinho Trinta.

Agora, como em todos os anos os insistentes saudosistas do carnaval sem público, voltam a carga e fazem pressão junto ao governo do Distrito Federal com o intuito de retirar os desfiles das escolas de samba de Ceilândia e querem, sem levar até mesmo em consideração o desejo dos moradores de Brasília, retornar a festa para alguma área no plano piloto a qualquer custo. Não acreditamos que o GDF venha sucumbir a estes apelos e troque o sucesso de público, o carnaval da paz, da família, pelo já comprovado fracasso de público e arquibancadas vazias de edições anteriores.

Sinceramente não podemos acreditar que os desfiles das escolas de samba sairão de Ceilândia. A Associação Comercial de Ceilândia(ACIC), convoca a sociedade civil organizada de Ceilândia, a população em geral, os partidos políticos e todos aqueles que não concordam com estas pressões espúrias que visam tirar o espetáculo de onde o povo está e prestigia, para instalá-lo em local sem gente e sem brilho.

O povo fala

“Ceilândia e uma Cidade que pra mim não é periferia! Pois Tem belas estruturas e pode gerar muita renda no Carnaval! Como dizem tanto pra população e a comunidade da periferia! Ceilândia não e apenas carnaval, tem ferrock, tem Hiphop, tem Forró, tem Casa do cantador!E manter o ceilambrodomo é Manter a Cultura em crescimento! Pois o Plano piloto não tem capacidade pra tal estrutura do Carnaval!” – Cartunista André Ribeiro  – Plano Piloto

“Sinceramente? Quem tá pensando dessa maneira, com certeza não vive ou viveu Ceilândia. Quem vive Ceilândia, sabe muito bem de todas as necessidades da cidade. Não sou moradora de lá, mas confesso, que não fico um domingo sem ir lá, principalmente, pra tomar um bom “caldo de mocotó”. Ceilândia merece e deve ser respeitada!” – Norma Amoras – Plano Piloto

“Em Ceilândia é muito melhor! Diga não ao Carnaval sem sal!” – Rafael Fonte  – Ceilândia

“Tem que continuar onde está,  apoio a manifestação.” Shirley Silva – Ceilândia

“Também acho que deve ser por lá, e chamar o sambódromo de Joãozinho Trinta é uma justa homenagem a quem veio ajudar na paginação do que é a única forma bem sucedida desse modelo de Carnaval no DF.”  – Wallace Brandão – Ceilândia

Pela profissionalização e por uma indústria do carnaval

Este ano a CLDF deu um passo importante e por meio da aprovação do PL 1277/12 que altera a Lei 4.738/11 que dispõe sobre a realização do carnaval do DF. Com isso, os carnavalescos poderão começar mais cedo os preparativos para a festa de momo no ano que vem.

Para que o carnaval do DF se transforme em indústria viável há que ter um planejamento firme, visto que a sua viabilidade técnica e econômica passa por uma adesão e prestigio da população aos desfiles, o que em Ceilândia já é uma realidade testada e comprovada. Ceilândia, Taguatinga, Samambaia, Aguas Claras, Recando das Emas e Riacho Fundo I e II, concentram mais de 70% da população do DF, população suficiente  para tornar o carnaval do DF sucesso de público e viável economicamente.

Fonte: ACIC

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPSD vai às emissoras do Distrito Federal
Próximo artigoA pessoa como base, matéria-prima e limite da imagem – II
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code