GDF não conseguiu reduzir despesas com dispensa de concorrência pública

Neste semestre, valor ficou em R$ 456 milhões. Contratações diretas são criticadas por especialistas, mas Buriti promete regularizar situação.

Em mais de seis meses de gestão, o governo segue sem resolver um grave problema que compromete a moralidade e a eficiência da máquina pública. As despesas realizadas sem licitação e a assinatura de contratos emergenciais, sem concorrência pública, deveriam ser exceções, mas os repasses às empresas sem concorrência prévia continuam altos. De janeiro até agora foram gastos R$ 456,1 milhões em contratos com dispensa de licitação. O valor é praticamente o mesmo da média semestral do ano passado, que ficou em R$ 469 milhões. Especialistas cobram medidas para reduzir as despesas sem licitação e lembram que a concorrência melhora o preço e a qualidade dos serviços prestados pelo poder público. O governo alega que é difícil substituir contratos nos primeiros meses de gestão, sob o risco de interrupção dos serviços, mas promete reduzir as despesas até o fim do ano, com a definição de novas regras para licitações.

Entre os contratos com dispensa de licitação, há casos em que o governo não tem outra opção. A empresa que lidera o recebimento de recursos nessa modalidade é a CEB, com repasses de R$ 132,2 milhões. A Caesb também integra a lista, com negócios de R$ 12 milhões. Nos casos, o governo não pode abrir concorrência porque as duas empresas públicas são as únicas a oferecer serviço de energia elétrica ou de abastecimento de água, por exemplo.

Outra situação em que a dispensa de licitação é justificada pela falta de concorrência é a parceria entre o governo e o Instituto do Câncer Infantil e Pediatria Especializada para a administração do Hospital da Criança de Brasília José Alencar. O acordo já custou R$ 40 milhões ao GDF este ano.

Fora essas situações, a empresa Sanoli, que fornece alimentação aos hospitais da rede pública do DF, foi a que mais lucrou. Só este ano, a empresa recebeu repasses que somam R$ 30,3 milhões. Em seguida aparecem a Serveng Engenharia, com R$ 29,4 milhões; a Ipanema Segurança, que ganhou do GDF R$ 24,3 milhões em contratos sem concorrência pública; e a Apece Serviços Gerais, beneficiada com R$ 19,1 milhões.

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code