O Boletim Codeplan Covid-19 mostra que o DF ocupava a 26ª posição na taxa de letalidade

A 16ª edição do Boletim Codeplan Covid-19 mostra que o Distrito Federal ocupava a penúltima posição (26ª) na taxa de letalidade da Covid-19 no Brasil até o dia 02 de agosto, com índice superior apenas ao estado de Santa Catarina (1,34%). Segundo dados do Ministério da Saúde, 1,38% dos casos confirmados de coronavírus na capital federal vieram a óbito. A taxa de letalidade permite observar a noção de gravidade da doença numa determinada região, considerando o número de óbitos por Covid-19 em relação ao total de casos do novo coronavírus.

Em relação à mortalidade, o Distrito Federal estava na 14ª colocação no ranking nacional, com 50,51 óbitos a cada 100 mil habitantes em 02 de agosto. Considerando o número absoluto de óbitos, o DF figurava no 18º lugar entre as unidades federativas, com 1.523 mortes contabilizadas até o último domingo (2). 

No ranking nacional de casos de Covid-19, o Distrito Federal ocupava a 8ª posição entre as unidades federativas até o último dia 02, com 110.040 contaminados. Considerando a proporção da doença, a capital federal salta para o 3º lugar, com 3.649,03 casos por 100 mil habitantes. A taxa de crescimento diária dos casos foi de 1,5% entre os dias 26 de julho e 1º de agosto, maior que a registrada na semana anterior (19 a 25 de julho), de 1,3%. O DF era a terceira unidade da Federação em número de novos casos diários em 02 de agosto.

Recorte por regiões 

Ceilândia e Plano Piloto continuam sendo as regiões administrativas com os maiores números de contaminados. Até o último domingo (2), Ceilândia – a maior RA do DF – concentrava 11,90% dos casos confirmados no Distrito Federal, enquanto o Plano Piloto respondia por 7,95%. Embora sejam líderes em número de casos, as duas RAs também apresentam os melhores índices de recuperação, com 86,6% e 80,1% dos casos recuperados. Sobradinho e Lago Sul são as regiões administrativas com as maiores proporções da doença, registrando 5.761 e 5.178,34 casos por 100 mil habitantes, respectivamente.

As regiões administrativas em que a Covid-19 têm se mostrado mais letal são Pôr do Sol/Sol Nascente, Ceilândia e SCIA/Estrutural, cujas taxas de letalidade foram de 3,42%, 2,21% e 2,14%, respectivamente. Em relação à mortalidade, Ceilândia registrou 82,87 óbitos a cada 100 mil habitantes, seguida por Sobradinho, com 73,53/100 mil habitantes e pelo Gama, com 70,24/100 mil habitantes.

Entre as cinco regiões administrativas com maior número de contaminados pela Covid-19 (Ceilândia, Gama, Plano Piloto, Samambaia e Taguatinga), o Gama – que é a 5ª RA no ranking de casos – foi a que apresentou evolução mais expressiva dos casos, com 4.042,93 casos por 100 mil habitantes. Em seguida, está o Plano Piloto, com 4.028,60/100 mil habitantes.

Nas duas últimas semanas, a proporção de casos por 100 mil habitantes cresceu entre as RAs de renda média-alta (Águas Claras, Candangolândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Sobradinho, Sobradinho II, Taguatinga e Vicente Pires) e média-baixa renda (Brazlândia, Ceilândia, Planaltina, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, SIA, Samambaia, Santa Maria e São Sebastião), praticamente se igualando às RAs de alta renda (Plano Piloto, Jardim Botânico, Lago Norte, Lago Sul e Park Way e Sudoeste/Octogonal).

Por Renata Lu
Fonte: Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui