Derrota da teimosia

- Publicidade -

O Fluminense visitou o SP com um time bastante modificado, e o retorno de Keno.

Com marcação mais avançada no campo ofensivo, a partida seguia  equilibrada, mas o SP levava perigo nas bolas altas.

Aos 28 minutos, keno faz 1×0 numa bola retomada no ataque.

- Continua após a publicidade -

Mas aos 31 minutos, numa bola recuada, Fábio falha clamarosamente e o SP empata.

Marquinhos tem uma atuação sofrível na lateral, Manoel e Alexsander muito bem, Keno tendo uma ótima atuação, e os demais discretos.

Voltamos para o segundo tempo, sem Diniz no banco, injustamente expulso pelo soprador de apito, com Felipe Andrade e JK, saindo Manoel machucado e Martineli.

Aos 24 minutos, numa disputa de bola dentro da nossa área, o jogador do SP faz falta em Lima, toma a bola e Luciano faz o gol, anulado corretamente pelo var.

Apesar do gol ter sido anulado, não se pode esquecer a lição básica do futebol que não se pode brincar na área.

Aos 33 minutos sai Keno e Kauã Elias, entrando Guga e Terans.

Depois de tanto perder bola na nossa área, aos 39 minutos o SP vira o placar, num castigo merecido.

Aos 40 minutos, entra Marcelo saindo Diogo Barbosa.

Marcelo ainda teve tempo de acertar a trave, num chutaço de fora da área.

Foi uma derrota da teimosia, ao insistir  numa  saída de bola dentro da nossa área, que já provocou várias derrotas, inclusive a de hoje.

Outra teimosia é forçar Fábio a jogar com os pés.

Ora, Fábio tem 43 anos, e apesar de ser um excelente goleiro com as mãos, não sabe jogar com os pés, aplicando-se o velho ditado popular: “papagaio velho não aprende a falar”.

Antônio Carlos pode ser um zagueiro para compor o elenco, e Manoel tem condições de ser titular.

Felipe Andrade ainda é muito imaturo cometendo erros primários que deveriam ter sido corrigidos na base.

Alexsander tem todas as condições de ser titular, assim como Martineli, enquanto Lima pode entrar sempre para reforçar o meio campo.

JK tem condições de compor o elenco, mas é necessário entender que futebol é um esporte coletivo, e o individualismo é apenas uma opção, quando necessário.

Terans precisa ter mais oportunidades para se encaixar no modo de jogar o nosso time.

Marcelo é brilhante com a bola, mas não pode ter a responsabilidade de marcar o ponta adversário.

Cano e Árias são titulares absolutos, mas Cano deveria ser proibido de frequentar nosso campo defensivo.

Keno em forma é titular, e  o time pode ser mais ofensivo com Marquinhos.

Enfim, o elenco é muito bom, acima da média, bastando que  Diniz reposicione a equipe, avançando  as 3 linhas, variando as saídas de bola, só utilizando a troca de passes dentro da nossa área quando a marcação adversária não for alta, recomendando aos defensores só recuar a bola para Fábio com absoluta segurança, e exigindo que os atacantes iniciem a marcação no campo adversário.

Convém lembrar que não se briga com números, e o Fluminense levou 12 gols em 6 jogos, números inaceitáveis para um time que ambiciona disputar títulos, e que demonstra de modo incontestável que existe algo de muito errado no sistema de jogo adotado.

Diniz tem elenco, cabendo-lhe  e a responsabilidade de organizar o time.

Na próxima quinta feira as 19 horas, com transmissão pela ESPN receberemos o Cerro Porteno pela Libertadores,  buscando reencontrar a vitória e a classificação para as oitavas de final da libertadores.

Bora Fluzão 🇭🇺🇭🇺🇭🇺🇭🇺

Raimundo Ribeiro

Apaixonado por futebol e, naturalmente Tricolor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui