Distritais se esquivam de investigar Raad na CLDF

raadRaad é acusado de desvio de verbas públicas.

Policiais recolheram computadores e documentos no gabinete do deputado distrital Raad Massouh (PPL), então secretário de Micro e Pequena Empresa do DF, em novembro do ano passado, em uma operação batizada de Mangona.

Investigado pelo suposto desvio de R$ 100 mil em verbas destinadas para uma festa em Sobradinho em 2010, o parlamentar deixou o cargo no Executivo e afirmou que iria voltar à Câmara Legislativa para se defender. Uma investigação foi aberta na Casa ainda em 2012, mas até agora os de- mais distritais não decidiram quem será o responsável por ela.

Indicação recusada

Em reunião do colégio de líderes na última quarta, ficou decidido que o deputado Wellington Luiz (PPL) seria indicado para ser o corregedor interino do caso.

Preocupado com a reação da opinião pública por pertencer ao mesmo partido de Raad, porém, o distrital resolveu não aceitar a indicação. “Me sentiria desconfortável de ter que atuar como corregedor por causa da questão partidária”, disse. “Confio na inocência do deputado Raad, mas se o arquivo for arquivado por mim pode pairar uma sus- peita e isso é ruim para a Casa e para o parlamentar.”

Diante da recusa, o presidente da Casa, Wasny de Roure (PT), está pedindo aos colegas que assumam a responsabilidade. “É preciso que haja a investigação, mas até agora não encontrei ninguém disposto. É uma pena”, disse ele.

O investigado, que também é acusado de se apossar de parte do salário dos servidores de seu gabinete, diz querer uma investigação criteriosa. “Eu confio na minha inocência e sei que qualquer deputado que assumir chegará a essa conclusão.”

Por Raphael Veleda

Fonte: Jornal Metro Brasília – 08/02/2013

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui