Fale para todos como se falasse para cada um

A comunicação pessoal é a forma mais antiga de transferência de informação.

Não nascemos com o dom da oratória, mas muito cedo adquirimos o hábito da comunicação pessoal. Esta é a forma mais antiga de transferência de informação, mais universal, e mais perene no tempo. É por meio dela que as conversações mais reservadas, sobre assuntos mais delicados, se realiza. Na política, este tipo de comunicação também tem muita importância.

Tancredo costumava dizer que ficava “rouco de tanto ouvir”…

Alguns políticos notabilizam-se por usá-la com grande maestria, deixando para os pronunciamentos públicos apenas as generalidades, e, para as comunicações telefônicas, apenas os assuntos “inofensivos”.

Este estilo de fazer política, que, no Brasil,ficou conhecido como o estilo do PSD mineiro (Tancredo Neves costumava dizer “Estou rouco de tanto ouvir”), ocorre em todos os países e em todos os tempos. Nos EUA, o Presidente Johnson notabilizou-se por adotá-lo, como sua principal forma de comunicação. Johnson não se saía bem nos discursos, mas no contato pessoal era imbatível.

As causas e os efeitos, que fazem com que a comunicação pessoa a pessoa tenha se tornado a “norma” estabelecida, decorrem da precedência da comunicação pessoal sobre a pública, e da intensidade e freqüência com que a praticamos, desde a infância.

Esta “norma” compõe-se de centenas de elementos não conscientes, que se integram na comunicação espontânea pessoa a pessoa. Padrões vocais, tais como o tom, o ritmo do falar, o volume da voz, as pausas, os movimentos do corpo – a linguagem corporal – são alguns destes elementos que identificam a comunicação pessoal um a um.

Quando um discurso logra se acomodar dentro desta norma, e o orador fala para todos, como se falasse para cada um, sua comunicação tende a ser aceita como autêntica e verdadeira. Este é o “desempenho” ideal para um orador, e o formato em que o discurso adquire maior efeito persuasivo. Equivocam-se os que pensam que ao falar em público precisam entrar “em modo de eloqüência”, e adotam um estilo diferente de falar, aos brados, dirigindo-se a todos de maneira indistinta, com uma linguagem diferente da que usualmente se emprega.

Quanto mais nos afastamos do formato da comunicação um a um, menos autenticidade possui a nossa comunicação, e mais artificial ela parece. É óbvio que, num discurso público, não se pode falar exatamente como numa conversa privada.

É preciso que todos ouçam, não há diálogo – um fala e os outros escutam – o discurso, sendo o resultado de um planejamento prévio, não possui a mesma espontaneidade da conversa a dois, olhar para um público não é o mesmo que o olhar para uma pessoa, os gestos são diferentes dos que se fazem na conversa individual, etc. Há, porém, meios de se aproximar do estilo coloquial. Os recursos mais poderosos para esta aproximação são: o volume da voz, o contato visual e os gestos.

O microfone ajuda a manter um tom de voz assemelhado ao que se usa na conversação privada

O volume da voz

O microfone permite não apenas a amplificação da voz, mas, mais importante, ele permite a modulação e enseja a você manter um tom de voz assemelhado ao que se usa na conversação privada e, ainda assim, ser ouvido por todos.

As pessoas, salvo situações de grande excitação, não querem ouvir gritos num salão como não gostariam de ouvi-los na sala de sua casa. Preferem ouvir alguém falando com elas num volume de voz normal.

O tom da voz também deve ser modulado. Tons mais graves, quando o assunto for solene, grave ou preocupante; uma entonação mais sussurrante quando se busca a intimidade com o público; vocalização mais rápida, animada, forte, quando se tratar da expressão do entusiasmo.

Evite sempre os extremos de uma voz demasiado grave ou demasiado aguda, que tendem a ser percebidas como artificiais teatrais e até mesmo ridículas. Não esqueça nunca que a eloqüência não é sinônimo de voz alta, de gritos e arrebatamentos.

O contato visual

O contato visual é essencial para lograr uma comunicação convincente. Não é possível, porém, numa situação de discurso para um público, obter contato visual com cada um dos presentes (ainda que certos políticos o tentem, fazendo seu olhar saltar de uma pessoa para outra).

A tentativa de travar contato pessoal pelo olhar com o maior número possível de pessoas, passa a sensação de nervosismo, insegurança, e até mesmo de não confiabilidade.

Uma forma de contornar este problema é dividir o público em três seções. O centro e os dois lados. Ao falar, olhe para as pessoas (ou câmera) que estão no centro de cada uma dessas seções do auditório, alternando livremente entre elas. Cada pessoa de cada uma das seções sentirá como se você estivesse olhando para ela, já que o olhar, numa distância média, possui um espectro de abrangência muito maior do que à curta distância.

Contato visual: essencial para se obter comunicação convincente

Três advertências:

Ao alternar o seu olhar entre as três seções do auditório varie a seqüência. Evite a monotonia e o esquematismo de alternar o olhar sempre na mesma ordem. Isto seria percebido como artificial.

O tempo em que você foca cada seção, não deve ser nem longo demais, nem rápido demais. Mantenha o foco enquanto sentir a situação como confortável.

Se você começou a articular um argumento, focando numa das três seções, conclua seu argumento primeiro, para só então mudar o foco do olhar.

Gestos discretos

O seu gestual deve também procurar aproximar-se do modelo de comunicação coloquial. Quando se conversa frente a frente, os gestos que fazemos são, geralmente, discretos, sóbrios e moderados. Não fica bem, numa conversa, gestos largos, exagerados e dramáticos, como não fica bem falar aos gritos.

No seu discurso pratique então gestos discretos, embora expressivos. A linguagem corporal é muito importante. Ela deve, entretanto, estar em harmonia com o conteúdo do seu discurso e nunca deve ser transformada numa atração à parte.

Nunca esqueça o sentido do gesto. Ele corresponde a um sublinhador de texto. Você pratica o gesto para sublinhar o que diz, para enfatizar, para assinalar a importância. O gesto então está diretamente subordinado ao conteúdo do discurso.

Muito cuidado para evitar a rima entre o gesto e o ritmo da fala. Muitos oradores, sem perceber, reproduzem o mesmo gesto para acompanhar o ritmo de sua fala. Este é um erro muito praticado, e que compromete a qualidade do discurso e do orador. O gesto chama a atenção do público. Por isso, ele só pode ser usado quando for necessário, e praticada da forma adequada.

Fonte: Política para Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorGenoino poderá assumir mandato e cumprir pena em regime aberto
Próximo artigoDireto do Facebook – Rogerio Rosso
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code