Lira pauta projeto que pode beneficiar Bolsonaro ao anular delações de réus presos

- Publicidade -

Da redação do Conectado ao Poder

Em uma movimentação estratégica que pode impactar significativamente as investigações envolvendo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ressuscitou um projeto de lei apresentado em 2016 pelo então deputado Wadih Damous (PT-RJ). A proposta visa invalidar as delações premiadas de réus presos, uma medida que poderia favorecer Bolsonaro, citado em várias investigações da Polícia Federal com base na delação do tenente-coronel Mauro Cid.

O projeto de Wadih Damous e seu contexto

Originalmente, o projeto de Damous tinha como alvo anular as delações de empreiteiros presos no âmbito da Operação Lava Jato, visando principalmente proteger figuras como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Damous, que atualmente ocupa o cargo de secretário Nacional do Consumidor, expressou surpresa e crítica ao uso atual de sua proposta, afirmando que o contexto de sua criação não tem relação com o cenário atual das investigações que envolvem Bolsonaro.

- Continua após a publicidade -

“Eu pensei que tudo isso já tivesse arquivado. É de se perguntar ao atual presidente da Câmara por que na época ele não assinou um requerimento de urgência, como agora está assinado”, questionou Damous. Ele enfatiza que, mesmo se aprovado, o projeto só teria efeito sobre casos futuros, não impactando retroativamente delações já realizadas, como a de Mauro Cid.

Manobra de Lira e reação política

A reativação do projeto causou surpresa entre os deputados do Partido dos Trabalhadores (PT), que agora tentam persuadir Lira a adiar a votação da urgência. No entanto, Lira reagiu com ironia às críticas, relembrando a postura anterior dos petistas: “Vocês eram a favor disso… agora são contra?”.

A urgência da votação acabou sendo postergada devido à suspensão da sessão após a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) passar mal e ser hospitalizada na UTI.

PL busca reverter inelegibilidade de Bolsonaro

Em paralelo, o Partido Liberal (PL), ao qual Bolsonaro é filiado, está mobilizando esforços para reverter a inelegibilidade do ex-presidente, imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral. O partido condiciona seu apoio a qualquer candidatura à presidência da Câmara à aprovação de uma anistia que beneficiaria Bolsonaro e outros envolvidos nos eventos de 8 de janeiro de 2023.

Até o momento, o deputado Elmar Nascimento (União Brasil-BA) é o único candidato à sucessão de Lira que indicou estar disposto a aceitar o acordo de anistia. Contudo, os bolsonaristas esperam que outros candidatos também adotem essa posição à medida que as negociações avançam.

Notícias no seu celular
Clique aqui e faça parte da nossa comunidade exclusiva onde você receberá as notícias mais recentes e importantes publicadas pelo Conectado ao Poder diretamente no seu celular.

Siga o Conectado ao Poder no Instagram
Clique aqui e siga o Conectado ao Poder no Instagram e fique por dentro das novidades, análises e atualizações exclusivas!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui