ONU defende mais inclusão nas redes globais de produção e distribuição

- Publicidade -


Mais de 1 mil delegados internacionais participaram no 1º Fórum da Cadeia de Suprimentos Global das Nações Unidas. A parceria entre a ONU Comércio e Desenvolvimento, Unctad, e o Governo de Barbados juntou representantes de governos e do setor privado em Bridgetown, entre 21 e 24 de maio.

A reunião que abordou as crescentes interrupções nas cadeias de suprimentos globais teve a presença da vice-secretária geral da ONU, Amina Mohammed, e da primeira-ministra de Barbados, Mia Amor Mottley.

Redes globais de produção e distribuição

Para a secretária-geral da ONU Comércio e Desenvolvimento, Rebeca Grynspan, é preciso ter urgência em tornar as redes globais de produção e distribuição mais inclusivas, sustentáveis e resilientes.

Representantes de governos defenderam a transição para tecnologias verdes e sustentáveis no transporte marítimo

© Unicef/Maxime Le Lijour

Representantes de governos defenderam a transição para tecnologias verdes e sustentáveis no transporte marítimo

No fórum que aconteceu em meio a um ambiente de comércio global considerado “volátil” foi emitida uma declaração conjunta de ministros dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, Sids.

No documento, os representantes de governos defenderam a transição para tecnologias verdes e sustentáveis no transporte marítimo para promover a eficiência energética e combater a poluição marinha.

Resiliência, a sustentabilidade e a inclusão

O grupo de nações pediu ainda que as instituições financeiras internacionais, os bancos de desenvolvimento e os países doadores priorizem o financiamento e o investimento em seu setor de transporte e logística focando “em projetos que promovam a resiliência, a sustentabilidade e a inclusão”.

No fórum, a Unctad e o Conselho Chinês para a Promoção do Comércio Internacional, CCpit, assinaram um Memorando de Entendimento para expandir a colaboração em ações que promovam o comércio e investimento.

Reunião abordou as crescentes interrupções nas cadeias de suprimentos globais

Reunião abordou as crescentes interrupções nas cadeias de suprimentos globais

Outras áreas envolvem cooperação para a facilitação do comércio, exposições temáticas da cadeia de suprimentos, diálogos público-privados, eventos de combinação de negócios e facilitação de intercâmbios entre especialistas em economia e comércio, acadêmicos e grupos de reflexão.

A expetativa é que com a realização do evento saiam reforçadas as cadeias de suprimentos globais e a resiliência dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento. O Reino da Arábia Saudita sediará a segunda edição em 2026.

Efeitos da Covid-19 nas cadeias de suprimentos

O fórum abordou ainda os efeitos combinados das mudanças climáticas, das tensões geopolíticas e da pandemia de Covid-19 nas cadeias de suprimentos globais.

Nestes tópicos, a chefe da ONU Comércio e Desenvolvimento forneceu uma análise crítica e acompanhou os ministros dos Sids na visita ao porto de Bridgetown, em Barbados.

Para a agência das Nações Unidas, o papel das instalações portuárias é crucial na manutenção das cadeias de valor globais por meio de tecnologia e práticas sustentáveis.



Fonte: ONU

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui