Projeto investe em mentores negros para impulsionar afroempreendedorismo no DF

- Publicidade -

O programa abre caminho para um futuro promissor para empreendedores negros

Para muitos empreendedores, a jornada de iniciar um negócio do zero é repleta de desafios e incertezas. Imagine agora enfrentar essa empreitada sem capacitação adequada e suporte. Essa é a realidade de muitos indivíduos, especialmente daqueles que pertencem a grupos sociais específicos, muitas vezes invisíveis para grande parte do mercado.

Nesse cenário, o afroempreendedorismo emerge como uma poderosa forma de resistência e afirmação da identidade. Ao pensar na economia étnica como uma estratégia vital, os empreendedores negros não apenas buscam gerar renda, mas também reivindicam seu espaço e narrativa na sociedade.

- Continua após a publicidade -

Embora o termo possa parecer recente, suas raízes estão profundamente entrelaçadas com a história. Nasce da necessidade histórica de pessoas negras, muitas vezes escravizadas, buscarem autonomia e liberdade econômica. Era a busca por sobrevivência e dignidade, onde o empreendedorismo se tornava não apenas uma escolha, mas uma necessidade urgente para se tornar protagonista de sua própria história.

Capacitação

Reconhecendo a importância crucial dos mentores negros no processo de empoderamento e desenvolvimento dos jovens empreendedores, o projeto “Igualando Oportunidades” surge como uma iniciativa visionária para impulsionar o afroempreendedorismo brasiliense e construir um futuro mais justo e inclusivo para todos.

Por meio de palestras, workshops e mentorias com especialistas renomados, o projeto oferece capacitação em áreas como: elaboração de plano de negócios, marketing, finanças e gestão de projetos, tecnologia da informação, programação, desenvolvimento de software, aplicativos, redes sociais e habilidades empreendedoras.

Com o apoio de mentores negros experientes e engajados, o programa abre caminho para um futuro promissor para o afroempreendedorismo no Distrito Federal. Através da capacitação, do desenvolvimento de habilidades e da criação de um ecossistema de apoio, a iniciativa empodera jovens negros e os impulsiona na jornada para o sucesso, construindo um futuro mais justo e inclusivo para todos.

Ao falar sobre o Igualando Oportunidades, o juiz do Tribunal de Justiça do DF e Territórios e professor da Escola de Magistratura do Distrito Federal, Fábio Esteves, destaca a importância da ação para gerar condições equitativas para empreendedores negros, enfatizando que essa iniciativa é crucial para promover a igualdade com impacto na ordem econômica da sociedade. 

“O projeto, ao propor ação para gerar iguais condições para pessoas negras empreender, avança de forma bastante qualificada para a promoção da igualdade com impacto na ordem econômica da sociedade. Componente essencial para a redução das desigualdades raciais diz respeito à racialização do espaço econômico, que é expressivo de poder”, afirmou o juiz. 

Apoiador do projeto, o juiz Fábio fez a abertura da programação do primeiro ciclo de palestras do programa em janeiro no Planetário de Brasília e destaca que a incubadora representa não apenas uma oportunidade de negócios, mas também um símbolo de realização e reconhecimento para uma comunidade que merece ocupar seu espaço e demonstrar todo seu potencial empreendedor. “Acredito que a incubadora fortalecerá a criação de um tipo de projeto que leve em consideração as ideias, a história, a compreensão que as pessoas negras têm de mundo, da vida e do espaço onde elas vivem”.

Segundo a coordenadora do Igualando Oportunidades, Cristiane Pereira, o projeto nasce em 2018 visando inserir o jovem negro no mercado de trabalho. “Agora em 2024, a gente vem com outra roupagem, fazer com que os alunos desenvolvam seu projeto inovador por meio da tecnologia da informação”. 

Reconhecimento 

Para a escritora Hulda Rode, fundadora da Escreva, Startup que conecta novos autores ao mercado editorial e aluna do primeiro ciclo de palestras do projeto Igualando Oportunidades, a incubadora tem sido um divisor de águas no sentido de absorver os conteúdos das aulas e de se inspirar com as histórias dos participantes. “Cada encontro possibilitou conhecer o modelo de negócio das empresas e de ver o diferencial competitivo que adotaram para fazer o empreendimento decolar”.

Segundo Hulda, o primeiro ciclo de palestras foi fundamental para ela aplicar novas ferramentas para medir a satisfação dos clientes e colaboradores e também aprimorar as práticas operacionais da empresa. “Compreender melhor as nossas personas, também possibilitou a identificar melhorias e tomada de decisão em relação às áreas que precisava implementar como o comercial e marketing, permitindo a contratação de 4 novos profissionais. Agora o próximo passo é desenvolver o novo planejamento estratégico da Escreva (visão 2025-2035) e vislumbrar o nosso aniversário de 5 anos que será em 5 de fevereiro de 2025”, comemorou a empresária. 

Jailson Mota, que trabalha com desenvolvimento de software, viu no programa uma possibilidade de tirar seus sonhos do papel. “Estamos quebrando barreiras e mostrando para todos que é totalmente viável. Ao ocuparmos esse espaço, estamos provando que essa realidade é alcançável. Para mim, mais do que o projeto em si, o que mais importa é o significado por trás disso, sabe? É a representação simbólica das pessoas transformando sonhos em realidade”, afirmou.  Para o doutor em comunicação e mentor da incubadora, Rubenilson Cerqueira, todas as pessoas têm algo para impactar a vida de outras. “Nunca é tarde para você se reinventar e procurar de fato aquilo que irá te fazer feliz e aquilo e que você irá atingir seu objetivo profissional e pessoal”, ressaltou o mentor. 

Nesse contexto, a figura do mentor assume um papel fundamental na capacitação do aluno. Mais do que transmitir conhecimento técnico e prático, esses especialistas servem como exemplos inspiradores, oferecendo aos jovens afroempreendedores conexão com a história e a cultura afro-brasileira por meio de suas vivências e trajetórias de sucesso, permitindo que os jovens se identifiquem e se conectem com suas raízes, construindo um senso de pertencimento e orgulho de sua identidade, superação de obstáculos específicos, visão estratégica e mentoria personalizada e visão estratégica e mentoria personalizada. 

Mentores do projeto

Conheça alguns dos mentores negros que impulsionam o projeto:

  • Rubenilson Cerqueira: Doutor em Educação (UNB), Mestre em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional (Ceam/UNB), Internacionalista (UDF), empreendedor social, professor, consultor, mentor e fundador do Galt Vestibulares.
  • Larissa Umaytá:  percussionista, produtora e educadora, cresceu no berço da cultura popular com o Bumba Meu Boi de Seu Teodoro, seu avô e, nas rodas de samba da família. Larissa atua em diferentes frentes da música popular brasileira, conversando com diversas linguagens e gêneros musicais, levando a percussão como forma de comunicação e transformação pelos palcos, internet e também pelas oficinas e workshops.
  • Ester Sabino: graduada e mestre em design pela UnB, tendo como campo de pesquisa design educação e inovação em governo, além de experiências profissionais em estratégias criativas, branding, impacto socioambiental, comunicação, mobilização social e políticas públicas com e para o design. Atualmente é gerente de Educação Ambiental na Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Espírito Santo, é Global Shaper, fellow da Social Good Brasil e articuladora do movimento Mulheres Negras Decidem.

Nayana Cambraia: investidora, inovadora social e gerente de projetos. Com um histórico de investidora em negócios de base comunitária, consultorias e gestão de programas em governos, iniciativa privada e terceiro setor, se destaca pela experiência em tecnologias sociais e gestão da mudança para adaptação de metodologias ágeis para negócios de impacto, com passagens por organizações

  • como Cieds, Yunus, Médicos Sem Fronteiras, Rede Mulher Empreendedora e Fundação Mapfre. Hoje atua como gerente de Portfólio na NESsT com negócios da Amazônia (bioeconomia) e negócios que fomentam a equidade racial.

  • Tairo Felipe Gomes: empreendedor e produtor musical.

  • Leonardo Julio: graduando em engenharia aeroespacial pela UNB, iniciou sua trajetória no empreendedorismo em 2013 na Universidade de Georgetown, explorando inovação e empreendedorismo. Contribuiu para o satélite SERPENS em 2014 com a Agência Espacial Japonesa. Trabalhou em grandes instituições como Agência Espacial Brasileira e Banco Morgan Stanley entre 2019 e 2021, agora como fundador do Ideia Space e All To Space, inova na educação espacial e agronegócio, consolidando sua trajetória empreendedora.

    Idealizado pelo Instituto Multiplicidades e executado pelo Instituto Brasileiro de Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis (Ibrachics), em parceria com o Ministério Público do Trabalho do DF e Territórios (MPDFT) e o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Distrito Federal (Secti-DF), o projeto visa capacitar a comunidade jovem e negra por meio da tecnologia da informação e mentorias com especialistas renomados. Para mais informações acesse o site do Projeto Igualando Oportunidades: https://igualandooportunidades.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui