Saiba esperar: nunca decida quando em dúvida



Agir com prudência é a prova máxima da sabedoria e o atestado definitivo de um verdadeiro líder.

Na grande maioria dos casos, saber esperar é uma virtude política adquirida pelo exercício da disciplina. É uma virtude que não é inata, que se adquire pelo autocontrole. O impulso mais forte que age sobre um político sempre será o de agir.

Gracián: “Domine a si mesmo que você dominará os outros”

Políticos, geralmente, são pessoas agitadas, sempre com pressa, ocupadas, correndo contra o tempo. Ter uma grande quantidade de compromissos torna-se uma obsessão. Significa que ele está desempenhando bem sua função, de que é necessário e de que é importante. Em ação, está “acumulando”, parado, está perdendo. Este traço comportamental tende, com o tempo, a levá-lo a encarar a espera, o tempo necessário à reflexão, ao planejamento, como “perda de tempo”.

Em geral, o político prefere agir sobre os fatos, assim que eles ocorrem, e, se necessário, corrigir suas ações posteriormente, do que refletir, planejar e adotar uma estratégia que oriente as suas ações quanto ao seu timing, conteúdo e forma.

Por outro lado, a sabedoria política ensina que a maior virtude do político é a prudência. E uma das marcas da prudência é saber esperar e ter paciência para evitar agir impulsionado pela emoção.

As palavras de Baltasar Gracián(1601/1658), o jesuíta espanhol que, com um realismo que se aproxima de Maquiavel, ensina nas suas máximas as lições para o sucesso na vida real: “Domine a si mesmo que você dominará os outros” e “Caminhe pelos espaços abertos do tempo, em direção ao centro, onde se encontra a oportunidade”. É, pois, prudente adquirir a virtude da paciência, a arte de esperar, o hábito de escolher o melhor momento para agir.

Nunca parta para a ação se não estiver racionalmente convencido de que é prudente agir. Se você tem dúvidas sobre o sucesso de sua ação, sua dúvida é uma certeza para quem observa, principalmente para o seu adversário. Decisões tomadas no calor da emoção costumam deixá-lo mal quando a situação se acalma e volta ao normal. Em situações de dúvida sobre a propriedade e acerto da ação é melhor não agir. Espere o momento em que as dúvidas sejam superadas pelas certezas.

Gracián era um jesuíta espanhol

“Muitas vezes os remédios agravam a doença. O médico sábio sabe quando prescrever os medicamentos e quando deve evitar prescrever. É preciso habilidade, sabedoria e maturidade para não aplicar remédios à doença, e esperar que a natureza corrija o mal.” – Maquiavel

Há situações em que é melhor deixar passar a tempestade do que tentar agir em meio a ela. Como diz Gracián: “É preciso muito pouco para turvar a água de um córrego, mas não há nada que se possa fazer para deixá-la novamente límpida, a não ser deixando-a quieta”.

Saber esperar, porém, não é contemporizar com o inevitável, nem tampouco esconder a hesitação e a fraqueza, sob as vestes da prudência.

Maquiavel alerta: “que não se adiam guerras inevitáveis”, tema que já foi tratado nesta coluna, sob este mesmo título. E como afirma Churchill, “o contemporizador é uma pessoa que alimenta o crocodilo na esperança de que ele o coma por último”.

Saber esperar é provar autodomínio, segurança e sabedoria. É a marca da excelência e da superioridade. O atestado definitivo da liderança

Fonte: Política por Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMarketing político e marketing comercial (I)
Próximo artigoAté 19 de dezembro, TSE espera julgar 2 mil recursos
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code