Taguatinga terá duas novas creches para atender em período integral

Investimento de mais de R$ 11 milhões na construção de dois novos centros de educação da primeira infância (Cepis), nos setores L e J, vai garantir vagas para quase 400 crianças da região

O Governo do Distrito Federal (GDF) trabalha para ampliar a oferta de vagas em creches públicas de Taguatinga. Em breve, a cidade ganhará dois novos centros de educação de primeira infância (Cepis), localizados na QNL 9/11 e na QNJ 56, Área Especial 18.

Em construção, as unidades terão capacidade para atender, ao todo, 376 crianças de até 6 anos em tempo integral. “Muito possivelmente, quando os Cepis ficarem prontos, vamos conseguir zerar a demanda reprimida por vagas na região de Taguatinga Norte”, enfatiza o coordenador regional de ensino de Taguatinga, Murilo Marconi Rodrigues.

As obras do Cepi do Setor J estão adiantadas. Cerca de 30 funcionários trabalham diariamente na execução da superestrutura da unidade educacional, tendo como foco serviços de acabamento. O investimento total para erguer a unidade supera R$ 5,4 milhões.

Moradora da região há 18 anos, Zelita Ana Cerrano, de 47 anos, defende que a construção da creche era um desejo antigo de quem reside no setor: “É uma benfeitoria que chega em boa hora. Vai ficar muito mais perto e cômodo para os moradores do Setor J”.

Já na creche do Setor L, as equipes trabalham na consolidação da infraestrutura. São realizados serviços de alvenaria, aterramento de baldrame, instalação hidrossanitária e de água, armação das cintas das vigas superiores, instalação de reservatórios, entre outros. A obra está orçada em R$ 5,75 milhões, com 22 empregos diretos criados.

“Eu, particularmente, gostei muito quando vi que o local, onde antes era um terreno baldio, daria lugar a uma creche. É uma obra excelente, muito importante para as mães da região. O GDF está de parabéns pela iniciativa”, avalia a aposentada Irece Maria, 59 anos, moradora do Setor L.

Conforto e segurança

As obras de construção das creches seguem os padrões estabelecidos pelo Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil (Proinfância), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

“Fazemos a utilização deste projeto arquitetônico em função da possibilidade de otimizarmos etapas da construção. Uma vez que já temos a arquitetura definida, conseguimos produzir peças técnicas de maneira mais célere para subsidiar o processo licitatório”, explica a subsecretária substituta de Infraestrutura Escolar da Secretaria de Educação do DF (SEE), Aline da Silva Lima.

Cada unidade educacional contará com dez salas de aula, sendo duas destinadas ao berçário e as demais para uso dos estudantes dos maternais 1 e 2. Além disso, o projeto prevê a construção de refeitórios, espaços multiúso, pátio coberto e descoberto, parquinhos, fraldários, sala de professores, salas administrativas e banheiros adaptados para pessoas com deficiência.

“O modelo escolhido atende a demanda por vagas na região, respeitando a compatibilidade do projeto com o terreno escolhido. É um formato que oferece mais espaços para uso dos alunos e, consequentemente, permite uma oferta maior de vagas. Isso sem abrir mão do conforto e segurança”, prossegue a subsecretária.

Ampliação

Além das creches dos setores L e J de Taguatinga, o GDF também trabalha na construção de unidades em Ceilândia, Recanto das Emas, Santa Maria, Gama, Estrutural, Guará, Jardins Mangueiral, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, Vila Telebrasília e Samambaia. O investimento total previsto ultrapassa os R$ 85 milhões.

Desde 2019, nove unidades educacionais para crianças de até 6 anos foram entregues, beneficiando moradores de Ceilândia, Samambaia, Pôr do Sol, Planaltina e Lago Norte. O investimento para a ampliação da rede de primeira infância foi de mais de R$ 28 milhões.

Recentemente, o governador Ibaneis Rocha autorizou, por meio de decreto, a expansão das instalações das escolas para receber um maior número de alunos. As creches, por exemplo, poderão abrigar mais de 200 crianças, ultrapassando a capacidade máxima indicada até então.

Todas essas ações permitiram reduzir quase pela metade – de 23 mil para 13 mil – o número de crianças na fila de espera por vagas em unidades escolares de ensino infantil.

Fonte: Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui