Tornar-se refém de uma promessa irrealizável

Este é um alerta válido para qualquer tipo de governante. É um dos mais perigosos e letais erros cometidos durante um governo.

Nesta altura já é muito tarde para alertá-lo a evitar fazer promessas irrealizáveis. No calor da campanha, na busca por aqueles votos indispensáveis à vitória, é muito difícil ao candidato, recusar-se a fazer aquela promessa que vai ao encontro do que os eleitores desejam, seja ela mais ou menos possível de realizar.

“Objeto de desejo” do eleitorado pode virar promessa impossível

É muito difícil porque, muitas vezes, durante a campanha, “surge” uma ideia, que, sendo popular, não é contestada por ninguém e fica à mão para ser abraçada por uma candidatura. Frente a esta situação os candidatos ficam numa posição frágil.

Como a ideia torna-se rapidamente um “objeto de desejo”, opor-se à ela é cortejar a impopularidade certa e adotar uma atitude cautelosa, do tipo “a ideia é boa, mas precisa ser mais estudada”, o que pode parecer uma forma habilidosa de não se comprometer com ela.

O problema é agravado pelo fato de que logo um dos candidatos, sem maiores preocupações, incorpora a ideia e com ela identifica sua candidatura. Diante de uma situação como esta, os demais candidatos não têm outra alternativa a não ser adotá-la também.

Na medida em que todos os candidatos se comprometem com a ideia, ela é neutralizada como argumento eleitoral. Outras vezes, é um dos candidatos que tem a “ideia genial” e compromete-se com uma medida que ele sabe ser popular, sem dar-se ao trabalho de estudar previamente a sua viabilidade.

As consequências são as mesmas nos dois casos. Ganhando a eleição, aquela promessa ressurge como um pesadelo. Consultados os auxiliares e funcionários, evidencia-se com dados e números que a promessa foi além das possibilidades de execução. Que fazer diante de uma situação como esta?

Apostar que as pessoas não vão dar grande importância, e que, no final das contas, vão acabar esquecendo-se ou relevando, porque se você não cumpriu aquela promessa, cumpriu outras

Muitos políticos, por absoluta ojeriza à possibilidade de retratação pública, ou incapacidade de reconhecer erros publicamente, preferem esta saída. Dão-se mal, invariavelmente, porque:

As pessoas normalmente não esquecem; se esquecerem, seus adversários na próxima eleição vão se encarregar de refrescar a memória do eleitorado.

Fica comprovado que você enganou os eleitores, mentindo para se eleger. Fique certo que este será o tema que vai persegui-lo na próxima eleição.

Na medida em que você nem cumpre a promessa, nem dá explicações, as pessoas vão buscar uma explicação. Pode estar certo que a explicação que vão encontrar lhe será sempre negativa: você não cumpriu para agradar”certos” interesses ou porque usou o dinheiro para outras coisas.

Reconhecer publicamente seu erro, por ter-se comprometido com um projeto, sem ter todas as informações sobre sua viabilidade

É melhor admitir que a promessa é impossível no início do mandato ou ela vai explodir na eleição

Esta saída é o oposto da primeira: reconhecer logo o erro a fim de retirá-lo da pauta de discussão e impedir que ele seja usado na próxima campanha contra você. Reconhecendo logo, você está “sacando” do seu capital político inicial, que deve ser grande; também você consegue tirar da pauta de discussão, porque, ao lado desta matéria, inegavelmente negativa, você terá muitas outras positivas a divulgar; finalmente, você também estará dando uma demonstração de sinceridade e honestidade.

Reconhecer logo não significa imediatamente, tão logo assumiu o poder. Você deve esperar algum tempo, pelo menos um mês, para fazer este reconhecimento. Apesar de tudo isto, você sofrerá um desgaste político. É inevitável. E no início de seu mandato.

É para evitar este desgaste, no início do mandato, que muitos governantes optam pela primeira saída, que, como vimos, é a pior de todas. Você tem que aceitar que, feito o erro na campanha, você terá que pagar por ele. Ou aceita o desgaste de início, contando com 4 anos para compensá-lo, ou aceita o desgaste futuro de fim de governo e da próxima campanha. Não tem como escapar do desgaste: ou um ou outro.

Dentre os dois, é preferível o primeiro porque você reconstitui sua relação com seus eleitores na base da verdade, fica livre daquele “estigma”, dá prova de sinceridade e coragem e “desativa” a bomba de efeito retardado preparada para explodir na próxima eleição.

Você decide sacrificar outros projetos do seu governo para se concentrar na realização daquela promessa

Esta é a terceira saída do problema. É a saída heroica. Somente cabe adotá-la naquelas condições em que a promessa feita trate de matéria de tal importância que justifique o sacrifício de outros projetos por ela. Mesmo assim, você não vai conseguir resolvê-la completamente. Mas vai conseguir, talvez, ao fim de seu mandato, um avanço considerável para mostrar aos eleitores.

Como nas demais, há também um desgaste. O desgaste político de ter abandonado ou dado pouca importância a outros projetos. De certa forma, você troca o não cumprimento de uma promessa pelo cumprimento precário de várias outras, ainda que não tão relevantes.

Nesta situação você também corre o risco muito sério de, mesmo concentrando seu governo na realização daquela promessa, chegar ao fim do mandato sem obter grandes resultados, ou sem que a população perceba os resultados conquistados. Entretanto, se a promessa é, sem controvérsias, nitidamente prioritária para os eleitores, o sacrifício pode ser justificado e você poderá sair vitorioso de seu mandato.

O exemplo mais comum e frequente de opção por esta saída ocorre quando a questão central, no sentimento da população, é a da segurança pública. Há situações em que as pessoas podem aceitar, de bom grado, a redução ou postergação de projetos em troca de uma concentração da ação do governo na segurança pública que produza resultados visíveis.

De qualquer forma, não aceite, em hipótese alguma, tornar-se refém de uma promessa irrealizável. É um dos mais perigosos e letais erros cometidos por um governante.

Evite a primeira saída, porque ela não é uma saída, e, depois de uma cuidadosa e inteligente análise de situação, escolha entre a segunda e a terceira saída. Como regra geral, a segunda sempre será a preferível, porque envolve menos riscos e preserva mais a integridade de seu projeto de governo.

Fonte: Política para Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAtaques
Próximo artigoA oratória da sedução: aprenda a usar o poder das palavras I
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code