Três empresas ligadas a Canhedo foram inabilitadas para disputar licitação de ônibus

Três empresas ligadas ao empresário Wagner Canhedo Filho foram inabilitadas no processo de licitação para escolha do novo modelo do Sistema de Transporte Público Coletivo, que na prática deve renovar a frota de ônibus do DF.

Das nove empresas que apresentaram documentação, três eram ligadas a Canhedo: Viplan, Planalto Rio Preto e a Santos&Pradelas.

No dia 19 de setembro, o Correio Braziliense publicou reportagem em que relatou a manobra do grupo de Canhedo, que é dono de 850 ônibus ou um terço da frota, para ter mais chances de vencer a concorrência aberta pelo GDF e assim permanecer no mercado do transporte da capital federal.

A reportagem mostrou as ligações das empresas Rio Preto e Santos&Pradelas com o grupo de Canhedo. No final de 2010, ele repassou ônibus de firmas oficialmente em nome dele para a Planalto Rio Preto, que agora tentava participar da licitação do GDF. A Santos& Pradelas, por sua vez, pertence à mesma família que é dona da Rio Preto.

As duas firmas, aliás, funcionavam no mesmo endereço que a Transportadora Wadel, também do grupo de Canhedo.

A transferência dos ônibus do grupo oficialmente de Canhedo para as firmas recém-chegadas em Brasília era uma tentativa de referendar a capacitação técnica das empresas que atuavam em benefício dos interesses de Canhedo. Mas não funcionou, pois o governo não reconheceu a operação de transferência.

No dia seguinte à denúncia publicada no Correio, o DFTrans emitiu um parecer no qual afirmou ter encontrado indícios de ato simulado entre as empresas, o que determinaria a nulidade da participação das mesmas.

A comissão de licitação seguiu o entendimento do DFTrans e considerou que a Rio Preto e a Santos&Pradelas apresentaram atestados fora dos padrões exigidos no edital. Sobre a Viplan, a comissão considerou que faltaram certidões. A empresa está em processo de recuperação judicial.

O grupo Canhedo, no entanto, ainda pode recorrer da decisão.

Confira quais as três empresas foram habilitadas para permanecer no processo:

Cidade Brasília
Pioneira
São José

Fonte: Blog da Lilian Tahan

COMPARTILHAR
Artigo anteriorACM Neto imita Lula: esperança contra o medo
Próximo artigoTCDF: Governo não atinge aplicação mínima de recursos na educação
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code