Como o eleitor se informa e organiza informações para decidir seu voto III

eleitorO eleitor médio retira informações politicamente relevantes de sua vida diária e da mídia à qual está exposto habitualmente.

Não se trata pois, de um eleitor sem informação e sim de um eleitor com informações dispersas, desorganizadas, pontuais, sem a sistematicidade que o eleitor de alta informação dispõe. Entretanto, são informações reais, relevantes para a vida dele, e são informações que dizem respeito ao mundo político.

Sem alguma conexão com o mundo da política e do governo, entretanto, esta informação perde sua utilidade no processo decisório individual. A grande questão que desafia os estudos de Ciência Política neste particular é a seguinte: Como este eleitor conecta estas informações com a política e o governo?

A primeira explicação para esta questão apostava no que se chamou “pocketbook voting”, isto é, o “voto do bolso”. Argumentava-se então que o indivíduo decidia seu voto em função da forma como percebia sua condição econômica pessoal. Achava-se que, se ele estava bem votava com a situação, e se estava indo mal votava com a oposição.

O fato é que este tipo de explicação chocava-se com os fatos e com os resultados das pesquisas de comportamento eleitoral. Os eleitores não decidiam de forma tão simplista. O voto não refletia linearmente a condição econômica pessoal do eleitor. Ele se engajava em raciocínios que iam além deste fator, levava em conta outros aspectos, que invalidavam esta interpretação.

Em primeiro lugar, os eleitores discriminam entre problemas de governo e problemas individuais. Os eleitores não atribuem ao governo a responsabilidade pela totalidade de suas vidas, seus sucessos e derrotas. Eles também consideram o impacto de fatores pessoais, familiares, sociais, e até, conforme a cultura, fatores misteriosos, como azar e sorte.

Por fim, os eleitores também reconhecem muitas vezes que o governo está se esforçando, está agindo certo, e mesmo assim os problemas não conseguem ser resolvidos.

Mesmo eleitores que haviam ficado desempregados, não conectavam automaticamente a “culpa” pelo seu desemprego com a ação/omissão do governo. Não poucas vezes a responsabilidade pela situação é assumida como pessoal. Em segundo lugar, os eleitores discriminam entre problemas de acordo com as respectivas responsabilidades dos diferentes níveis de governo. Os eleitores também sabem diferenciar a respectiva responsabilidade de níveis diferentes de governo, para diferentes problemas.

O eleitor é capaz, portanto, de penalizar politicamente um partido pela sua incapacidade de lidar com um problema social sério no plano estadual, e, ao mesmo tempo, apoiar este mesmo partido no plano federal, porque aquele problema é responsabilidade do governo estadual e não federal, e inversamente.

Em terceiro lugar, os eleitores discriminam também entre a situação atual e expectativas de médio prazo. Se o eleitor, ainda que considere que a situação atual lhe é prejudicial, possui expectativas de médio prazo de que ela vai melhorar, pode votar contra a lógica do seu “bolso”.

As pessoas aceitam sacrifícios e incômodos desde que tenham esperanças e confiança. É importante lembrar sempre que as eleições testam também as preocupações do eleitor por progresso, segurança e benefícios públicos de médio prazo, e não apenas aqueles que supostamente produziriam benefícios diretos e imediatos.

Não é demais lembrar que, com a sucessão de eleições e governos, o eleitor fica mais experiente e pragmático. Ele passa a descrer de promessas atraentes e aparentemente fáceis de cumprir, porque “já se enganou” várias vezes. Ele passa a valorizar mais a consistência; pequenos, mas continuados avanços; torna-se mais exigente na outorga de sua confiança aos governantes; e menos dependente de soluções mágicas e imediatas aos seus problemas provindos do governo.

A situação corrente do eleitor é um parâmetro definido e importante no seu processo de raciocínio para decidir seu voto. Entretanto, entre sua situação atual e o voto que finalmente dá, há muitas variáveis que intervêm.

É óbvio que para merecer o voto do eleitor o candidato precisa estabelecer uma relação entre sua candidatura e a vida do eleitor. É o nexo emocional sobre o qual já discorremos na coluna Consultoria Política.

Entretanto, está errado o candidato que supuser que o eleitor é um desesperado, que exige soluções diretas e imediatas, e que espera da ação do governo uma melhoria instantânea para a sua vida pessoal e familiar. O eleitor médio, usando a “racionalidade de baixa informação”, é muito mais complexo e sofisticado no seu processo de decisão política do que esta “imagem de desesperado” supõe.

As conexões, entre informações colhidas na vida diária, na mídia, e, como veremos, na campanha eleitoral, com a política e o governo, são também “conexões racionais”, estabelecidas mediante “atalhos cognitivos” bem mais diversificados do que a mera reação (positiva ou negativa), em resposta à sua condição atual.

Fonte: Política para Políticos

COMPARTILHAR
Artigo anteriorBlog do Sandro Gianelli deseja um Feliz Natal
Próximo artigoEleições para conselheiro tutelar no DF podem ser canceladas
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; editor do Portal Conectado ao Poder; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 6h às 8h, na Rádio 104,1 Metrópoles FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*

code