Drogas: Dor, sofrimento e escravidão

Por Luciano Lima

O plenário do Senado Federal pode votar em primeiro turno, já nos próximos dias, a proposta de emenda à Constituição sobre drogas. E a sociedade brasileira está preocupada com a proposta de descriminalização do porte de drogas para consumo, com a liberação de critérios quantitativos e a redução de pena para o tráfico. E o mais assustador é que são propostas que contam com o apoio do governo brasileiro e da nossa mais alta instância da justiça.

E você sabe qual é uma das principais “desculpas” encontradas por todos aqueles que defendem a “escravização” do Brasil? São os altos custos do sistema carcerário do nosso país. Ou seja, o dinheiro é muito mais importante que a saúde, a segurança e a própria vida da nossa população. Aliás, sejamos sinceros, um sistema penitenciário apodrecido e sucateado pelo próprio poder público. Há quem interessa? Seria um sucateamento proposital? Estaria neste “combo do mal” a forte campanha contra a imagem das forças de segurança pública, principalmente das polícias militares em todo o Brasil?

A proposta de descriminalização de drogas é um “presente” para o crime organizado. Vai significar um maior empoderamento e crescimento das facções criminosas existentes e pode ser uma grande oportunidade para o surgimento de novas outras. Além disso, a descriminalização pode passar a impressão de que o uso de drogas não é perigoso, o que pode aumentar consideravelmente o número de usuários, já que o consumo de drogas lícitas, como o álcool, é muitas vezes maior que o de drogas ilícitas.

E o que pode restar para as famílias, já que tais propostas podem enfraquecer o papel dos pais na educação e na formação dos filhos? É uma pergunta que deixo em aberto para que todos façam uma grande reflexão.

O Brasil não pode favorecer o consumo de drogas e facilitar a vida do tráfico. Todos os dias são mostradas, nas redes sociais e na imprensa, as tragédias causadas. Milhares de famílias são destruídas, muitas com desfechos trágicos, por causa do uso e do comércio criminoso de entorpecentes.

O que a população deve cobrar e esperar de nossas autoridades legalmente constituídas é a implementação de políticas públicas de segurança, saúde e educação que minimizem os efeitos do uso e do tráfico de drogas. É importante reforçar para a população que drogas só trazem tragédia, dor e sofrimento.

Menos drogas e mais esporte, cultura e educação de qualidade.

*Luciano Lima é historiador, jornalista e radialista

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui