Evento em universidade angolana explora carreiras internacionais na ONU

- Publicidade -


A Universidade Católica de Angola sediou um evento sobre carreiras internacionais nas Nações Unidas, reunindo profissionais da ONU que compartilharam suas experiências com jovens. Este foi o primeiro de uma série de encontros planejados.

Os palestrantes incluíram Omotola Akindipe, da Organização Mundial da Saúde, OMS, Inaara Gulamhussen, do Programa Alimentar Mundial, PMA, e Camila Ignacio, da Agência da ONU para Refugiados, Acnur. Eles interagiram durante quase duas horas com cerca de 70 estudantes presenciais, além de muitos outros que participaram virtualmente.

- Continua após a publicidade -
Para Omotola, trabalhar para a OMS para fornecer, proteger e promover a saúde global não é um emprego, nem uma carreira; é uma vocação.

Para Omotola, trabalhar para a OMS para fornecer, proteger e promover a saúde global não é um emprego, nem uma carreira; é uma vocação.

Vocação internacional

O evento forneceu informações importantes sobre carreiras na ONU e incentivou os estudantes a considerarem seguir este caminho profissional.

Para Omotola, trabalhar para a OMS para fornecer, proteger e promover a saúde global não é um emprego, nem uma carreira; é uma vocação.

Inaara acrescentou que “servir na ONU é um modo de vida e uma paixão que deve ser abraçada com todo o coração”.

Camila ressaltou que é importante pensar se servir a organização é algo realmente desejado já que a carreira pode levar a missões para locais arriscados ou passar longos períodos longe da família. 

Os estudantes de mestrado da universidade fizeram perguntas e participaram de discussões sobre como se preparar para seguir uma carreira nas Nações Unidas. Os painéis forneceram informações sobre as formas de ingresso na ONU e dicas sobre como se posicionar melhor para uma possível carreira nesse campo. 



Fonte: ONU

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui